sexta-feira, 18 de agosto de 2017

Planeta dos Macacos: A Guerra

Então eu fui lá assistir ao Planeta dos Macacos: A Guerra.
Na estréia.
Sim, semanas atrás.
Porque eu só estou escrevendo este texto quase um mês depois de assistir ao filme?

Bem...
Porque foi a pior conclusão de trilogia que eu já assisti na minha vida.

E eu afirmo isso sem a menor sombra de dúvidas: o filme é ruim. Péssimo. Desastroso.
Eu esperei todo esse tempo para não ser injusto. Para não escrever com ódio nas veias. Para não sobrecarregar o texto com as minhas emoções.

Mas mesmo assim, não teve jeito de eu dizer que o filme é bom.
Vou tentar explicar o porquê dessa crítica tão dura.

Eu sempre gostei da mitologia de Planeta dos Macacos. Desde os filmes da década de 60, seriado da década de 70 até a retomada de filmes na década de 90. O argumento do seriado me convenceu. Viagem no tempo resultando em um futuro aonde os macacos são inteligentes e dominam o mundo. É ficção, mas é uma ficção plausível, na minha cabeça. Sim, eu acredito que outras raças possa vir a criar consciência de si, inteligencia superior, gerar linguagem, criar ferramentas, controlar o fogo, desenvolver civilização, etc...

Evidente que a falta de recursos tecnológicos limitava o enredo das histórias do século passado. Não era fácil contar como os macacos ganharam inteligência ou o que levou a raça humana a ser dizimada e escravizada.

Mas essa limitação passou. Hoje em dia o processo de produção de filmes nos permite contar praticamente qualquer história.

E então a Fox lançou Planeta dos Macacos: A Origem.
Eu não vou mentir pra você dizendo que foi um filme sensacional. Mas foi muito bem feito. Adaptaram a história às novas tecnologias existentes. Criaram uma sequência tão crível quanto extraordinária. Gastaram um bom tempo de tela mostrando a formação psicológica de Caesar. E fizeram essa evolução de um modo primoroso. Vemos toda a jornada do herói se desenvolvendo sem que o filme nos agredisse com explicações milagrosas. Planeta dos Macacos: A Origem é conduzido de modo tão suave que você compreende todos os elementos de escravidão, maus tratos, abusos, família, amor, etc... sem receber o peso desses temas.

Então a Fox lançou Planeta dos Macacos: O Confronto.
E, amigo, que senhor filme. Sempre me deixou curioso o modo como todos os macacos inteligentes veneravam Caesar. "O primeiro de nós", diziam. Mas as citações não paravam no aspecto histórico. Todas as menções a Caesar eram acompanhadas de uma carga de interpretação mística, quase divina. Como se os macacos estivesse falando do seu Jesus Cristo. E em Planeta dos Macacos: O Confornto, vemos Caesar deixar de ser apenas "o primeiro macaco inteligente que libertou os demais macacos" para se tornar "o líder da primeira comunidade de macacos inteligentes". A simbologia de Caesar ter "morrido" e, "depois de três dias" ter "ressuscitado" aos olhos dos demais macacos inteligentes é... primorosa.

Então passamos três anos esperando pela continuação.
Pelo fim da trilogia.

Eu fui ao cinema louco para ver como Caesar conduz os macacos inteligentes para o domínio do mundo, após os homens se auto-destruírem.

Porque, afinal de contas, não dá pra reclamar de spoiler em Planeta dos Macacos, né? Todo mundo aqui já sabe como a história termina. Nosso interesse é apenas saber o que aconteceu para que o mundo chegasse na situação de domínio símio.

Planeta dos Macacos: A Guerra remove todas as dimensões dos personagens, trabalhadas nos dois primeiros filmes. Todos os personagens - desde Caesar, seus amigos próximos, os macacos inteligentes, os humanos, etc... - se transformam em bonecos de duas dimensões. O roteiro cria situações "porque sim". Colocam motivações em "loucura", "porque sempre foi assim" e "porque eu acho que assim é melhor".

O filme "chapa" na tela - por mais de duas horas - um Caesar bidimensional, com espírito de vingança tolo em uma missão suicida.
O esforço para construir um Caesar poderoso e toda a mística em sua volta é jogado no lixo assim que um humano mata sua esposa e filho. Porque o humano os matou? Porque sim. Por loucura. E, mesmo dentro da loucura, dos problemas e dos objetivos do humano, assassinar macacos não faz o menor sentido.
Os amigos próximos de Caesar o acompanham na missão suicida. Os motivos? A rapa do tacho das desculpas esfarrapadas que um roteiro pode te oferecer. "Amizade", "lealdade", etc...

Não sei quanto a vocês mas... se um grande amigo meu decide fazer uma senhora cagada, daquelas que vai escorrer em mim, eu amarro esse amigo em um poste, tranco no quarto, me esforço ao máximo para que ele desista da ideia imbecil. E se mesmo assim ele insistir, definitivamente eu não vou mover uma palha para ajudar.

Enquanto os macacos vão atravessar um deserto para chegar em um "lugar seguro" para morar, Caesar vai atrás do general nas montanhas nevadas.

As sequencias bidimensionais e os furos no roteiro prosseguem.

Mas, se há uma coisa legal em Planeta dos Macacos: A Guerra, é a noção que o vírus que erradicou os humanos e que deu inteligência para os macacos está evoluindo. E, nessa evolução, o vírus remove a capacidade dos humanos de falarem, terem raciocínio superior e até mesmo de efetuarem algumas tarefas mais complexas.
Em resumo, o vírus evoluiu e agora transforma os humanos resistentes em animais irracionais.

Claro que o filme mostra isso de um modo tolo. Enquanto Caesar persegue o general - e todo o pelotão - que matou sua família, ele encontra uma cabana. Nessa cabana os macacos matam um homem e encontram uma menina que está com sintomas do novo vírus.

Mas não fique triste se você não entendeu a evolução do vírus na cena do encontro com a menininha: na próxima sequencia de cenas os humanos acampam, levantam acampamento e, quando estão saindo do local, executam três soldados. Caesar ainda encontra um agonizando e o filme esfrega na tua cara a evolução do vírus.

Bem. Quase uma hora de filme e não houve nenhum alívio cômico, ainda. Mas isso não é problema para um filme bidimensional. O roteiro tá muito pesado? Pff... Faça o grupo encontrar um personagem engraçado milagrosamente!
E... PUFF! Bad Monkey aparece. Se você não espera muito do filme, é até uma parte legal. Se existe alguma coisa interessante nesse personagem é a noção que não é apenas o grupo do Caesar que é inteligente. Assim como o vírus se alastrou entre humanos pelo mundo inteiro, se alastrou entre os macacos. Isso ficou subentendido no segundo filme. Mas só agora foi posto na tela. Pena que o roteiro preferiu dar ênfase nas piadas ridículas do macaco engraçado do que nesse aspecto importante da evolução da história do Planeta dos Macacos.

Caesar e seu grupo chegam na base aonde o General levou todos seus soldados.
Basicamente, essa é uma unidade de fanáticos extremistas. Humanos que tinham o dever de combater os macacos. Mas essa unidade tomou conhecimento da evolução do vírus. E o método do general para evitar que o vírus se espalhasse é... executar e abandonar os doentes. 
Os demais humanos souberam disso e exigiram que o general parasse com a matança. Mas ele e seus fieis (PORQUE DEABOS ALGUÉM SERIA FIEL A UM GENERAL QUE MATA SEUS SUBALTERNOS INFECTADOS???) desobedecem a ordem.
O general sabe que os demais humanos virão para prendê-los. Então ele levou seus soldados até uma base militar abandonada em uma montanha, cheia de armamentos e munições.

Aqui uma das coisas que eu menos entendi do filme.
Os soldados estavam indo para o NORTE, para uma BASE NAS MONTANHAS.
Todo o grupo de macacos do Caesar estavam indo atravessar um DESERTO para chegarem em uma SAVANA.
Sei lá eu COMO ambos grupos "se cruzaram sem querer". 

Não, o roteiro não explica. 
Caesar chega na base e todo o grupo de macacos está preso. Machos, fêmeas, filhotes...

Ok. Releva.

Missão de vingança se transforma em missão de resgate. (ZZzzZZzzzZZzZZzzZ)
Caesar é pego. Claro, o roteiro previsível precisa colocar o líder dos macacos na frente do líder dos humanos.
O diálogo entre os dois é marcado por chavões, lugares-comum, toda sorte de discurso raso e furado e até uma tentativa de humanizar o general louco: "Ur dûrr, eu matei meu filho porque ele pegou o vírus evoluído. Todos que me seguem acham que eu fiz certo e acreditam em mim!" - Não, roteiro raso, ninguém vai chorar nessa tua tentativa ridícula de emocionar o público.

Os macacos foram encontrados "por sorte" enquanto os soldados iam para a base nas montanhas. Mas, quando chegaram lá, já haviam prisões adequadas, com guaritas, sistema de luz e até passarelas de metal para transito sobre as celas. Celas diferenciadas para filhotes e adultos...
E, por incrível que pareça, os macacos prisioneiros até tinham função: serem escravizados para construir "um importante muro"!!!

Mesmo preso, Caesar consegue falar com os amigos livres e bola um plano para libertar todos os macacos.

O ponto alto talvez seja a menininha doente (a da cabana!) indo até uma das celas altamente vigiadas, pegando comida e água, atravessando O MEIO DA BASE, indo até A CELA DO LÍDER DOS MACACOS, dando água e comida para Caesar e NENHUM SOLDADO vendo isso.

Mano, nós estamos falando de um filme sobre origem de uma civilização. Pra que criar um cenário de RPG adolescente?

A menina entra e sai de boas da base militar ultra-vigiada por humanos fanáticos.

O plano para libertar os macacos é contar os passos das celas para que os amigos do Caesar entrem pelos esgotos e cavem um buraco no chão por onde os macacos fugirão.

Eu teria vergonha de apresentar essa ideia em público.

O plano se desenvolve com a conveniência de que soldados bem treinados não selam ou vigiam entradas de esgoto por onde é possível um humano adulto passar.

Enquanto os macacos estão fugindo, o ataque dos humanos aos fanáticos ocorre.

Helicópteros de combate jogam fucking mísseis na base. O tão importante muro não resiste dez segundos de filme. Os soldados fanáticos estão claramente em desvantagem e é nítido que os que forem presos terão sorte.
Mas em vez de fugir com seu grupo, Caesar decide ir até o general para matá-lo.

AH. MEU. SACO.

Eu adorava o Caesar dos dois primeiros filmes. Não só um macaco inteligente, mas um macaco bondoso e com consciência maior do que qualquer outro personagem. E essa decisão isolada de voltar para matar o general me fez desejar que o Caesar morresse. Ali mesmo. Bicho burro dos infernos.

Caesar chega na sala do general. Ele está deitado na sua cama, ensanguentado. Sim, ele está com o vírus evoluído. Caesar chega a pegar um revolver. O general aponta a arma para a própria cabeça e engatilha. Seus olhos suplicam pelo tiro de misericórdia. Caesar, com todo o poder do mundo, larga o revólver ao alcance do general.
De repente todo o "espírito Koba" que guiou a vingança de Caear por mais de duas horas... some.
E o general, com uma arma carregada nas mãos vê o líder dos macacos dando as costas a ele. Alvo fácil. Se o general ainda tem consciência para decidir se matar, ainda consegue pensar que Caesar é uma ameaça e um tiro o mataria.

Pff. Caesar sai da sala. Ouve-se o tiro. O general se mata. Caesar foge.

Bem, a saída dos esgotos apontava exatamente para onde os humanos estavam vindo para atacar a base. Eles entraram em fogo cruzado. Caesar vê os macacos, vê os humanos e vê caminhões de gasolina dentro da base. (Sei lá como nenhum míssil dos helicópteros não explodiu a base inteira com tantos fucking CAMINHÕES de gasolina ali. Mas já não estamos mais cobrando coerência alguma, mesmo...)
Caesar pega uma cinta com granadas e corre para explodir um caminhão que destruiria todo o muro. Isso faria os tiros cessarem um pouco e protegeria a fuga dos macacos.

Quando Caesar vai jogar a granada... Um personagem que atira com besta (porque tem a melhor mira do mundo!) acerta Caesar entre as costelas, sob o braço. Cabeça? Coração? Pff... O melhor atirador mal acerta o peito do macaco. Beleza.

Caesar cai. Um dos macacos que está ajudando os humanos vê a cena toda e, milagrosamente, "toma consciência" e explode o caminhão.
A muralha cai.
Quase todo mundo morre.
Menos o Caesar que, mesmo com uma flecha no corpo, consegue alcançar os macacos.

Quando o grupo parece a salvo os humanos notam os macacos.
E, ao mesmo tempo, uma avalanche ocorre.


É. Assim mesmo. Uma avalanche. Agora. De onde ela veio? Você quer mesmo coerência?

Os macacos se salvam subindo em árvores.
Os humanos. A base. Os fanáticos.... todo mundo morre.

Dias se passam e os macacos atravessam o deserto.
Chegam até o lugar prometido.

Só quando eles chegam Caesar dá sinais que está com a flecha ainda no corpo.
Caesar morre.
Foco no céu.

Acaba o filme.

Eu me lembro de ter ficado frustrado com Matrix Revolutions.
No final de Matrix Reload Neo consegue afetar as máquinas no "mundo real". Usar um poder impossível. Eu passei seis meses imaginando que havia "uma Matrix dentro de outra Matrix" e que o Neo era o primeiro a despertar na "Matrix Zion".
Ver Matrix Revolutions destruiu uma expectativa minha e me frustrou com duas horas de tiros e non-sense.

Mas Planeta dos Macacos: A Guerra superou isso. Eu imaginava algo maior. Eu imaginava aprofundamento. Eu imaginava grupos independentes de macacos se encontrando e reconhecendo em Caesar um líder absoluto, mundial.
Eu imaginei cenas como a icônica destruição da Estátua da Liberdade. Eu estava pronto para ver macacos saindo vitoriosos de uma guerra por pura soberba humana.
E antes o filme fosse duas horas de tiros... Não, o filme não se contenta em apenas dar um final melancólico para a trilogia. Planeta dos Macacos: A Guerra destrói o personagem Caesar antes de matá-lo do modo mais imbecil que eu já vi um personagem principal morrer.

O filme é tão ruim que eu sinceramente espero que a Fox se desculpe publicamente por ter lançado esta porcaria. Espero que os detentores da história do Planeta dos Macacos digam que a história desse filme não aconteceu. Que foi um erro bisonho e que o final da trilogia será reescrito e refilmado para fazer jus ao tamanho da franquia.

A propaganda do filme diz que "você vai torcer contra os humanos"... Eu torci contra os humanos, contra os fanáticos, contra os macacos, contra o roteiro feito por uma criança de 4 anos, contra as duas horas de enrolação, contra todo esse péssimo filme.

Vá assistir por sua conta e risco.

Eu não recomendo que você perca tempo de sua vida sequer assistindo esse filme em TV aberta.