terça-feira, 15 de abril de 2014

Spoiler

"Spoiler" vem de "spoil". "Spoil", traduzido ao pé da letra do inglês, significa "espólio"... que, em português comum, significa "tesouro encontrado e que será distribuído entre quem o encontrou".
Coloca-se o sufixo "er" e "Spoiler" acaba significando "aquele que distribui o tesouro". Aquela pessoa que "entrega o ouro"...

Enquanto utilizado como gíria moderna, "Spoiler" é, basicamente, aquela pessoa que revela uma informação que vai estragar o divertimento de outra pessoa, com alguma atividade.
Contar como faz para passar determinada fase em joguinho, revelar detalhes de uma trama, contar o final da piada antes, etc...

Nota-se portanto, que o "Spoiler" é um baita de um filho da puta, com uma bela propensão ao sadismo e à falta de amor pelos próprios dentes. Uma pessoa que costuma sair revelando as coisas legais de todas as atividades está pedindo, sim, para levar umas boas piabas da vida, uma hora dessas.

Eu concordo que o cara que faz isso tudo de propósito está errado.

Mas...

Com o passar do tempo, aconteceu um fenômeno. "Spoiler" deixou de designar apenas a este chato. Na verdade, hoje, "Spoiler" não é mais só o cara que conta por prazer. "Spoiler" se tornou O ATO EM SI de contar QUALQUER COISA sobre QUALQUER TRAMA.
Desta forma, existem pessoas por aí que andam com tochas nas mãos a procura de qualquer pessoa que revele qualquer detalhe de qualquer história, prontos para soarem o "SPOILER ALERT!" e acenderem a fogueira para queimarem o incauto comentaristas em ritual.

Vamos ver se eu consigo me explicar... Sim, existe AQUELE CHATO DE MERDA, que alguém tem que dar uns toques para mostrar o quanto ele está sendo inconveniente.
Mas não é por causa da falta de noção desse cara que todos os demais estão proibidos de comentar qualquer coisa sobre as suas histórias favoritas...

No último domingo foi ao ar pela HBO o segundo episódio da quarta temporada do seriado Game of Thrones. A estreia está sendo simultânea no mundo. Só não vê nesse horário quem não tem acesso ao canal, não possui interesse na série ou possui algum outro impeditivo.
Entretanto, entre os apreciadores do seriado, é fato sabido que o seriado passa às 22hs de domingo. E ponto.

Faz parte do ritual de um entretenimento que as pessoas que acabaram de assistir algo comentem entre si suas impressões, conclusões... Comparem as percepções e os entendimentos particulares, a fim de gerarem um entendimento mais amplo. E internet e suas infinitas redes sociais estão aí simplesmente para ampliarem esta teia de comunicação.

Portanto, nada seria mais natural que fãs da série Game of Thrones se reunissem em suas redes sociais favoritas e, então, passassem a conversar a respeito do último capítulo exibido, um instante após o final deste... Insisto: faz parte do processo do entretenimento. Você amplia o entendimento após conversar com outras pessoas a respeito da trama. É um processo natural e saudável.

Só que... Existem aquelas pessoas que se interessam pelo seriado, mas não o assistiram no domingo, às 22hs. E, com suas tochas nas mãos, reclamam de "Spoiler" daqueles que assistiram...

Peraí, deixa eu entender isso direito...

1 - Spoiler é alguém que VIU ANTES e estragou de propósito a diversão do outro... As pessoas que vira no momento que o episódio estava passando na TV não "viram o episódio antes de todo mundo". Essas pessoas PAGARAM para ver o episódio NA MESMA HORA que todo mundo.
O problema, aqui, foram as pessoas que, por seus motivos, deixaram de assistir com todo mundo. Casos particulares que, mesmo que sejam mais numerosos, são as exceções.

2 - Quem mais reclama provavelmente é um PIRATA de conteúdo intelectual! Sim! E olha... O cara tem dinheiro para computador, HD externo, banda larga... mas não tem 40 pila para colocar a HBO. Corre lá nos torrents da vida para baixar o episódio, horas depois que este foi ao ar. E ainda se acham no DIREITO de EXIGIR que as pessoas que PAGAM não comentem nada sobre o episódio?
Como assim, filho?
Então quem PAGOU pelo primetime do seriado não pode complementar sua experiência conversando com seus amigos os detalhes do programa?
E quem pagou não pode comentar nada para favorecer ao PIRATA que não pagou nada pelo entretenimento? Caso clássico de poste mijando no cachorro!
E ainda vou te dizer que esses PIRATAS torram o saco para não RECEBEREM "Spoiler". Mas basta terem assistido ao episódio para correrem até as redes sociais para contarem o que viram em detalhes...

3 - Existem aqueles que não puderam assistir o programa por outros motivos. Sei lá, emergência, trabalho ou qualquer coisa que o afaste da TV. Acontece. Mas essas pessoas SABEM que passou e SABEM que os seus amigos viram. SABEM que os outros comentarão. E geralmente esses SABEM que devem evitar as rodas de amigos. Sabem que são eles os deslocados que devem ficar um pouco fora da internet, pelo menos até assistirem ao episódio.


Amigo, não é legal ser o "Spoiler" filho da puta que conta os detalhes pelo prazer de estragar a diversão dos outros.
Mas é pior ainda você querer se dar bem em cima das pessoas que estão vivendo a sua experiência sobre o entretenimento. É direito de todos a livre expressão. Você não quer ler o que eu escrevo? Escolha outro texto ou saia do meu blog. Agora, ficar nessa mania de "não gostei, apaga!"?

Seu direito termina aonde começa o direito da outra pessoa.

Mesmo porque, não há como manter segredo de trama de todas as histórias já contadas até hoje. Imagina ninguém poder falar que a mãe do Bambi ou o pai do Simba morrem! Uma hora alguém vai te contar que o Tyler Durden não existe, que o Luke Skywalker é filho do Darth Vader e que a caveira na mão do Hamlet é do irmão dele...

Quanto às pessoas que conversam abertamente sobre as tramas... Eu sei que educação não é item de série, mas eu garanto que é um ótimo investimento. Avise que você pretende entrar em uma conversa com "Spoilers". Dê um sinal de alerta, para que aqueles que não querem escutar o seu assunto possam te ignorar.

O resto? Por favor, mantenham as liberdades alheias intactas. Quem assistiu tem o direito de falar. E quem não assitiu tem o direito de ignorar (por uma conversa, por um mês, por um ano, por uma vida...). Simples assim.