sexta-feira, 12 de dezembro de 2014

O Hobbit - A Batalha dos Cinco Exércitos!

Vamos recapitular?

Aqui você pode ler o texto sobre O Hobbit - Uma Jornada Inesperada.
Aqui você pode ler o texto sobre O Hobbit - A Desolação de Smaug.

E sem mais delongas, vamos falar da batalha dos cinco exércitos!

Então... foi com um misto de ansiedade e tristeza que ontem eu fui lá assistir ao final da trilogia do Hobbit... E saí do filme com uma sensação de "como é bom estar vivo e poder ver essa maravilhosa obra", somada a uma tristeza imensa, por saber que, agora, será muito difícil termos mais filmes baseados na obra de Tolkien, com tanta qualidade.

Em um mundo com tantas pessoas rasas, é reconfortante ver uma obra tão profunda.

O Hobbit é daquelas obras que, se você não prestar atenção, perde um detalhe e só vê o básico que está acontecendo na cena. Mas se você se deixar abraçar pela trama e notar as nuances, acaba percebendo o quão complexa é.
No fim, todos os livros do Tolkien contam a mesma história. Só que é uma história que se passa através de gerações, de milênios. Uma história aonde até a menor e mais humilde criatura pode fazer algo que muda os destinos de todos.

E o maravilhoso deste filme em especial é que Peter Jackson foi excelente em deixar os ganchos prontos para o Senhor dos Anéis. Tudo o que acontece na batalha dos cinco exércitos tem consequências na obra já executada nos anos 2000.

Eu adoraria que houvessem mais filmes. Filhos de Húrin, Contos Inacabados, Silmarillion, Aventuras de Tom Bombadil... Amigo, eu deixaria até que o Peter Jackson inventasse mais algumas histórias. Não me importo. Ele preenche muito bem as lacunas. Mostra atenção a detalhes da história de modo único.
Só sei que eu quero e preciso revisitar a Terra Média mais vezes.


Bem, como os detalhes que eu quero comentar dependem que eu conte passagens do filme, a partir desse ponto vou contar a história do filme, junto com as minhas considerações...

A Desolação de Smaug termina com Smaug indo atacar a Cidade do Lago. E, naturalmente, a primeira cena relevante da batalha dos cinco exércitos é o ataque do dragão à cidade.
Como tudo o que envolve Smaug, é claro que essa passagem ficou magnífica e aterrorizante. Os efeitos especiais são de tirar o fôlego. A sequência de ataques de um dragão cuspidor de fogo e arrogantemente certo de sua superioridade é perfeita. Os cidadãos da cidade do lago fugindo e a cidade ardendo em fogo e perdida no meio da fumaça deixam tudo terrivelmente realista.
Então entra Bard. O único a se opor ao dragão, ele sobe em uma torre e passa a disparar flechas simples contra Smaug. Smaug, naturalmente, sequer toma conhecimento dos palitos de dente que estão encostando em sua armadura reforçada.
O filho de Bard nota o esforço do pai, abandona o barco de fuga aonde estava com suas irmãs, os anões que haviam ficado na cidade e Tauriel, corre até o lugar aonde escondeu a Flecha Negra e a leva para seu pai.
Smaug nota os disparos de flechas de Bard e arremete contra a torre, destruindo-a parcialmente. Então Smaug se volta para "quem ousa se opor" a ele.

Sem o seu arco, Bard improvisa uma tira nos escombros e usa seu filho como apoio para disparar a Flecha Negra certeiramente no peito de Smaug, aonde lhe falta uma escama.
Smaug tenta alçar voo, mas morre e desaba sobre a cidade, exatamente sobre o regente gordo.

Amigo... Eu sei. A história foi alterada. Não foi exatamente assim no livro. Mas assista sem preconceitos e depois venha me dizer se não ficou perfeita.

Os anões que ficaram na cidade agora estão indo para a montanha. Tauriel iria com os anões, mas Légolas diz a ela que os dois devem ir até Gul'Dan, pois sabia de um mal que estaria por lá.

Os moradores da Cidade do Lago agora formam um exército de desabrigados que, sob o comando de Bard, marcham para Erebor para pedir ajuda para os anões. 
E esse é o primeiro exército.


Enquanto isso, o filme mostra mais alguns trechos que não estão no livro. Lembra que Gandalf foi investigar Dol Guldur e acabou enfrentando Sauron?
O filme mostra Gandalf preso, recitando um encantamento para pedir ajuda para Radagast. Dramaticamente, justo na hora que um orc aleatório iria matar Gandalf, aparece nada menos do que Lady Galadriel em seu socorro. Galadriel salva Gandalf do orc e, quando está levando o enfraquecido amigo para fora das ruínas da fortaleza, é surpreendida pelos fantasmas dos nove reis humanos, servos de Sauron.
"Você não deveria ter vindo sozinha", diz um dos reis...


Mas ela não estava sozinha. Nada menos do que Saruman e Elrond aparecem. A luta é épica em proporções que poucos mortais conseguiriam compreender.
Galadriel utiliza seus encantamentos para restaurar as forças de Gandalf. Quando chega Radagast com seus coelhos e levam Gandalf dali.
Quando os reis são derrotados aparece nada menos do que o próprio Sauron. E então vemos a real extensão dos poderes de Galadriel. Ela, enfraquecida por ter ajudado Gandalf e SOZINHA, derrota e espanta Sauron.
Aqui, quem realmente leu a obra de Tolkien nota uma coisa: o "grande olho" não é um "olho". É o "corpo" de Sauron, pegando fogo. Sim, no Senhor dos Anéis, é o próprio Sauron quem está no alto da torre negra, vigiando toda a Terra Média em busca do anel!
Muito enfraquecida, Lady Galadriel é amparada por Elrond. Era necessário ir atrás de Sauron. Mas Saruman lembra que, sem o anel, Sauron nada pode fazer. E, dadas as circunstâncias, Saruman diz que ele próprio irá atrás de Sauron.
Gandalf sabe que Misty Mountain será atacada por orcs. Gandalf pede a Radagast junte um exército de bestas e animais para ajudar, enquanto ele próprio iria para Erebor.

Esse é um daqueles pontos "em que tudo se encaixa". Os demais magos confiam plenamente em Saruman. Mas Saruman vai sozinho ao encalço de Sauron. Nessas buscas provavelmente Sauron conseguiu corromper Saruman. Provavelmente nessas buscas o Palantir foi entregue a Saruman... Nossa. Eu não quero essa história só na minha cabeça. Preciso ver um filme aonde Saruman faça a busca e seja corrompido!

De Dol Guldur Azog marcha com uma legião de orcs em direção à Misty Mountains.
Esse é o segundo exército.

Enquanto isso tudo acontecia, o filme mostra cenas intercaladas dos anões dentro da montanha. Vemos passo a passo como a "loucura do ouro" ou "doença do dragão" se apodera de Thorin. Como ele fica obcecado por defender o tesouro e como fica desesperado por encontrar logo a Arken Stone.
Ele passa a desconfiar de tudo e de todos. E nós não sabemos, também, aonde está a pedra... até que o filme mostra um ~detalhe esquecido~ do último filme: quando Bilbo usa o anel na frente de Smaug e some, no segundo filme, ele estava perto da pedra. Naquele momento, Bilbo pegou a pedra e a escondeu em seu bolso.

Há uma conversa entre Bilbo e Balin que eu achei simplesmente perfeita. Bilbo pergunta o que aconteceria CASO alguém achasse a pedra e a entregasse a Thorin. Nesse momento conseguimos ver o quanto Balin é sábio e esperto. Nós conseguimos notar que Balin entendeu que Bilbo está com a pedra. E o conselho de Balin deixa claro: "Melhor que ela continue perdida..."

Thorin desconfia de tudo e de todos. Manda que os anões fortifiquem a entrada da montanha, aonde Smaug destruiu para sair para atacar a cidade do lago.
Nesse momento vemos algumas aves saindo da montanha.

Thorin e a companhia são o terceiro exército.


Os humanos estão chegando na cidade ao pé da montanha quando são surpreendidos por Thranduil e um exército élfico.
Thranduil quer reaver jóias de sua família que estão sob a montanha. Bard tenta convencê-lo de que não há razões para uma guerra. Thorin havia prometido uma parte do tesouro aos humanos, se eles ajudassem os anões a reaver seu lar. Na mente de Bard - e de qualquer outra pessoa sensata - bastava cobrar o prometido, pegar as jóias brancas para o elfo também e tudo estaria resolvido.
Mas a conversa entre Bard e Thorin não terminou bem. Thorin, completamente insano com a loucura do ouro, diz que não deixará que nenhuma moeda saia da montanha. O exército élfico se une ao exército humano.

Thorin e a companhia vão até o arsenal e se vestem para a batalha. Nesse momento, Thorin dá a camisa de Mithril para Bilbo... Ah se o Bilbo soubesse que essa única peça dele vale mais do que o Condado inteiro... Bem, de qualquer forma, essa camisa salva Frodo em Moria!

Bard dá as más notícias a Thranduil, que determina que seu exército atacará ao amanhecer.
Então chega Gandalf na cidade. Fica sabendo dos planos de Thranduil e tenta dissuadi-lo, sem sucesso.
Então, assim como no livro, Bilbo sai da montanha e leva a Arken stone até os humanos e os elfos. Tudo para que não houvesse uma guerra.

Bilbo volta para a montanha, escondido.
Na manhã seguinte, os elfos estão prontos para o ataque, nos portões de Erebor. Bard e Thranduil tentam uma última conversa com Thorin. Desta vez, tentando trocar o coração da montanha pelos tesouros que os dois vieram reclamar.
Thorin não entende COMO a pedra saiu da montanha. Não acredita. Mas Bilbo diz que ele a encontrou e levou até os humanos e elfos.
Thorin fica maluco, manda que os outros anões joguem Bilbo da muralha. Os outros anões não obedecem, pois notam a loucura que toma conta de Thorin. O próprio Thorin tenta jogar Bilbo da muralha, mas os outros anões impedem, enquanto Bilbo foge.
Nisso, um dos corvos volta. Thorin sorri, pois sabe que seu primo Dain está chegando, junto com um exército de anões das montanhas de aço!
Dain chega montado em um porco. LITERALMENTE!!!


Quando os elfos iriam atacar, o exército anão aparece.
E esse é o quarto exército.


Elfos e anões estão prontos para se enfrentarem, quando um terremoto surpreende a todos.
Azog utilizou vermes comedores de terra para cavar túneis sob o solo. Assim, o seu exército pôde viajar durante o dia e chegar desapercebido.

Os anões logo tomam a frente, para defenderem a montanha. Parecia que os elfos não iriam se envolver, mas entraram na batalha. Só Thorin que decidiu que não sairia da montanha. Azog está sobre uma montanha, em uma cachoeira congelada, comandando as ações do seu exército com "um cata-vento gigante", parecido com aqueles carinhas que passavam mensagens com bandeiras.

Azog divide seus guerreiros em uma investida contra a montanha e outra investida contra a cidade, dividindo as defesas. Os humanos e alguns elfos vão defender a cidade. Aí vemos que Bard não é só modinha, que ele é foda de verdade!


Bem, são 40 minutos de batalha. Não vou descrever tudo o que acontece. Vou me limitar a dizer que é alucinante.


No meio da batalha Dwalin confronta Thorin. Dwalin diz que eles deveriam estar no campo de batalha, também. Que não reconhecia mais Thorin. Thorin diz para Dwalin sair de perto, "antes que eu te mate". Dwalin sai de perto e Thorin começa a pensar em tudo o que fez. Em uma cena épica, um Thorin livre de loucura aparece para sua companhia e diz que "não posso pedir nada mais para vocês, mas vocês me seguem uma última vez?".
Thorin se une aos exércitos remanescentes e começa a virada da batalha.


A batalha é difícil e Thorin tem a ideia de desarticular os orcs removendo seu "centro de controle". Eles iriam até a cachoeira congelada para enfrentar Azog.

Nisso Tauriel e Légolas chegam para avisar que as forças de Gul'Dan estavam chegando ao norte. Seria um golpe gigantesco para as defesas da montanha.

Alguém precisava avisat Thorin da armadilha. Bilbo diz para Gandalf que ele irá. Gandalf não permite. Mas Bilbo é assertivo: "eu não estou pedindo a sua permissão!"


Usando o anel, Bilbo vai até Thorin, Dwalin, Fili e Kili. Bilbo avisa do ataque orc que virá pelo norte e ajuda a conter o ataque... até que um orc o atinge na cabeça e ele cai desmaiado.


Preocupada com Kili, Tauriel vai para a cachoeira congelada, também. Preocupado com Tauriel e querendo ajudar os anões, Légolas também vai até a cachoeira.

As batalhas não são menos do que épicas. Fili é morto por Azog. Kili é morto pelo capitão orc do norte. Quando este capitão orc ia matar Tauriel, Légolas aparece. Para chegar a eles, Légloas mata um trol gigante, guia sua queda para uma torre, que desaba formando uma ponte entre os dois lados da cachoeira. Uma ponte de pedras instável, aonde qualquer pisão mais forte derrubava trechos inteiros de parede.
É o Légolas sendo o Légolas: nada além de mais um domingo tedioso na sua vida imortal.

No meio da batalha, Légolas ainda tem tempo de arremessar a espada que roubou de Thorin em um orc, salvando o rei anão.

Thorin entra em combate com Azog. Que luta. Azog com um magual improvisado (corrente + pedra) quebra o gelo a cada golpe que erra em Thorin. Thorin faz com que Azog quebre tanto o gelo, que acaba ficando em uma plataforma muito pequena, que não o sustenta.
Thorin larga sua espada, pega a pedra do mangual e a joga para Azog segurá-la. Um passo para trás e Azog cai na água gelada.

Nisso chegam Radagast, Beorn, águias e outros seres, para ajudar Gandalf e as defesas de Erebor.
Esse é o quinto exército!

Por um instante eu imaginei que Peter Jackson iria poupar Thorin no filme. Seria tão errado quanto legal. O corpo de Azog aparece sob o gelo. Thorin o acompanha. Até que Azog abre os olhos e desfere um golpe que fura o gelo e o pé de Thorin.
A briga continua até que Azog arremessa Thorin no chão e força seu braço/espada através do peito do rei sob a montanha. Nesse mesmo momento, Thorin usa sua espada para trespassar o coração do orc pálido.
Ambos inimigos mortais agonizam com a espada do oponente em seu peito. Azog morre. Thorin usa de sua resistência de anão para se manter vivo por mais uns minutos. Ele anda até a ponta da cachoeira e contempla a montanha sendo defendida com sucesso.

Bilbo acorda a tempo de ver Thorin cair. Em uma cena comovente, Thorin se desculpa com Bilbo e os amigos se despedem.

Sauron não conseguiu controlar Misty Mountain. Ele terá que entrar na Terra Média por outro caminho, para procurar pelo anel.

Tauriel chora a morte de Kili. Ela pergunta para Thranduil "porque dói tanto?" Vendo Thranduil responder "porque era real", nós notamos - inclusive - que toda a amargura do rei élfico não passa da tentativa de esconder a dor pela morte de sua esposa. Tauriel diz que não quer amar nunca mais.
Légolas vê que jamais conquistará Tauriel. Légolas diz ao seu pai que não poderá voltar para casa. Thranduil diz, então, para Légolas ir aos ermos. Lá há uma pessoa que ele deve conhecer. Um grande homem, filho de Arathorn, conhecido como "Passolargo". "Qual o seu nome?", pergunta Légolas. "Isso você deverá descobrir sozinho", responde Thranduil.

No fim, Gandalf escolta Bilbo até as fronteiras do Condado. Ainda temos tempo para ver que Gandalf SABE que Bilbo tem um anel mágico que o faz "ter sorte". Gandalf deixa a entender que sabe de que se trata o anel do poder. Mesmo com Bilbo indicando que perdeu o anel durante a batalha...
Infelizmente o filme não mostra a cena aonde Bilbo e Gandalf passam na caverna dos trols que tentaram cozinhar a comitiva, lá no primeiro filme. Se você não sabe de onde aparece aquele baú que Bilbo está levando para casa, uma dica: é o baú com ouro que os anões enterraram, dizendo ser "uma poupança para o futuro". É esse mesmo baú que Bilbo se refere como "um baú com meia dúzia de moedas de ouro e que ainda cheira a trol", quando fala com Frodo, no primeiro Senhor dos Anéis.

Mas o mais emocionante é a cena final do filme. Aquele momento em que você sabe que tudo acabou. Mas tudo acabou com o centenário Bilbo segurando firme seu velho e precioso anel, lembrando de todas as suas aventuras... Quando alguém bate à sua porta e ele prontamente diz que não precisa de nada e quer que a pessoa vá embora. A pessoa é Gandalf, que pergunta se isso inclui velhos amigos. As feições de Bilbo mudam e nós vemos o início do Senhor dos Anéis, desta vez por dentro da casa de Bilbo...
Detalhe para o mapa da Terra Média que está exatamente na mesma mesa, exatamente virado para a mesma posição aonde Gandalf irá vê-lo, no início de Senhor dos Anéis, enquanto Bilbo procura por chá e algo para comer, para dar ao amigo.



Esse foi um desfecho fantástico. Arremate perfeito,
Saí do cinema com gosto de "CARAMBA, PRECISO VER MAIS FILMES DO TOLKIEN/JACKSON!"

Eu quero ver um filme do Saruman no encalço de Sauron. Quero ver COMO Sauron corrompeu Saruman.
Eu quero ver um filme do Légloas conhecendo o Aragorn. Quero ver as batalhas que eles lutaram antes de enfrentar as legiões de Saruman e Sauron.
Ainda quero ver as aventuras dos cavaleiros de Rohan, na tentativa de defender o seu reino das invasões dos orcs de Saruman.
E eu aceitava um romance bobo, só contando a história do amor entre Arwen e Aragorn. Não precisa ter uma espada sequer no filme...
Eu definitivamente preciso ver Balin conquistando, restabelecendo a glória, defendendo e caindo nas Minas Mória.
Talvez um filme do Radagast... Talvez um filme do Beorn... Porque não um filme de Bard? 

Tem muita história boa para ser contada. E o Peter Jackson as conta de forma impecável, adicionando detalhes que só enriquecem toda a obra...

Bem... Até que sejam fechados mais contratos, é isso. Acabaram-se os filmes baseados na obra de Tolkien. Nos resta ver, rever, assistir mais uma vez e voltar a ler todos os livros. Nossa imaginação terá que bastar.

Como cereja do bolo, deixo um link aonde você pode conhecer toda a obra e a melhor ordem para ler os livros. Conhecer a história do melhor cenário de fantasia jamais criado.