domingo, 11 de dezembro de 2016

Internacional Rebaixado

Em 2008 eu fiz um texto para o Ponto Final! falando sobre o Vitório Pífero. 

Desde aquela época eu tinha prevenções contra o presidente do Inter. 

Não fui contundente naquele texto porque, veja bem, era só a minha intuição contra os resultados do Pífero. Seria LOUCURA eu dizer em 2008 que o Pífero era ruim e não merecia ser o presidente do Inter. Contentei-me em apenas fazer um trocadilho bobo entre o sobrenome "Pífero" e a palavra "Pífia", a qual eu já usava como adjetivo para o futebol e as vitórias apresentadas naquele ano. 

O Inter teve uma curva de futebol grande entre 2004 e 2011. Aonde saiu de um quase rebaixamento, reestruturação, campeão do Brasileirão 2005, campeão da Libertadores e do Mundial 2006, campeão da Sul-Americana 2008 e campeão da Libertadores 2010. Em 2011 o Inter se encolhe, os resultados deixam de aparecer e, desde então, a ladeira parece não ter fim. 

O modelo de negócio, a gestão da diretoria, a filosofia da comissão técnica, o futebol apresentado em campo e a apatia de todos envolvidos mostram o quão "Pífio" nosso clube se tornou.

Nossa direção não precisa nem ser explicada. Mas mesmo assim eu vou falar.
Vitório Pífero sempre foi prepotente. Tipo do cara que aposta todas as fichas na sua teimosia e depende do resultado positivo para não se dar mal. Mas, quando começa a ver que as coisas vão mal, corre chamar o Fernando Carvalho para ajudar.
Não me entenda mal, eu gosto do Fernando Carvalho, acho que foi o melhor dirigente que já vi atuando, lá entre 2004 e 2007. Mas ele chegou ao seu ápice. Tanto sabia disso que "se aposentou" do comando do Inter logo em seguida, passando o bastão para o Pífero.


Fernando Carvalho foi extremamente infeliz na resposta que deu à repórter da Band, citando a Chapecoense, sim. Resposta amadora. De quem não pensa no que fala.

Mas o mundo só viu o texto plano da resposta do Fernando. Ninguém escutou a pergunta que o induziu ao erro, tão pouco o pedido de desculpas.
Hoje, houve quem dissesse que "todos os que torcem pro inter não cair são canalhas por causa da resposta do Fernando Carvalho". Desculpe, amigo, "canalhas" são vocês que chafurdaram no factoide. Deixe a torcida - que nada tem a ver com a declaração infeliz do dirigente - fora disso.

Mas voltando ao Pífero...

Suas decisões administrativas sempre foram um fiasco.
Quem aqui lembra das "obras pra Copa do Mundo", aonde ele destruiu metade do anel inferior de arquibancadas sem previsões de receitas para a reforma?
O clube passou quase um ano jogando em meio a escombros!
Foi preciso que o Luigi assumisse o clube para conseguir recursos para conseguirmos reconstruir o estádio.
Não apenas isso, o Luigi pegou o clube em um momento aonde havia perdido o Mundial para o Mazembe de modo ridículo. Jogadores sem tática, sem técnica, sem comprometimento, tal qual o Inter de 2017. Luigi conseguiu encontrar os líderes dentro do time e montou uma equipe em volta deles. Estava começando a reconstruir a grandeza do clube. Só não foi campeão da Libertadores por detalhes, mas estava sempre frequentando a competição.

Entregou uma equipe montada, participando da Libertadores, com Nilmar, Aranguíz, D'Alessandro e Abel Braga. Sem contar um número interessante de jogadores vindos da base, algo que não acontecia desde 2004 na safra que revelou Sóbis, Nilmar e outros.

Mas mesmo assim os sócios colorados elegeram o Pífero, novamente.

2015 já foi um ano a ser esquecido. Todos os jogadores remanescentes da gestão Luigi só ficaram no clube para a Libertadores. No Brasileirão, apesar da boa campanha, o Inter acabou em quinto e não classificou novamente para a Libertadores.

Então ocorreu O DESMANCHE.

Eu não sei o que o Pífero tinha em mente. Ele trouxe Argel Fucks para comandar o Inter.
Deixou TODOS os bons jogadores irem embora e deu carta branca para o Argel montar um elenco HORROROSO para disputarmos 2015.

Entenda: ele deixou D'Alessandro sair da equipe, indo por empréstimo para o River.
Trouxe Alex e Anderson para serem "os comandantes" do time.

Eu simplesmente não entendo. Apoiou o time em dois ex-jogadores, que em suas carreiras no máximo compuseram elenco... e rodeou esses dois medalhões com guris da base ainda carentes de experiência.
Qual o resultado que isso poderia ter?

Assistir ao último jogo do Inter foi um misto de decepção e frustração.
O time precisava de CINCO gols para se manter na primeira divisão. E o único que você via dando o sangue dentro de campo era o goleiro Danilo Fernandes. Talvez o único acerto do Pífero nos últimos dois anos. (E, mesmo assim, porque vendeu o Alisson, atual goleiro da Seleção Brasileira...)

E, agora, no final da sua gestão pífia, Pífero entrega um Inter sem time, sem escalação, sem sistema de jogo, sem plantel, sem estrutura... e na Série B.

Eu quero dizer que estou triste.
Não cair para a Série B era um patrimônio do Internacional, sim.
Nós, torcedores vindos da década de 80 e 90, nos orgulhávamos de nunca termos caído.
Era uma honra, fazia do nosso clube um time especial. Nos sentíamos "do povo" e "da elite", ao mesmo tempo. Agora, o Inter passa a ser um time comum. "Só mais um".
Caímos por conta das nossas decisões. Por conta de elegermos um presidente pífio. Com ideias pífias. Com pensamentos pífios. Com atos e gestão pífios.

E quer saber o que é pior?
O Inter continua na justiça pelo caso Victor Ramos.
O Vitória usou um jogador de modo irregular no ano inteiro, sim.
E, se houver alguma forma de justiça, o Vitória será punido. E o Inter ficará na primeira divisão no ano de 2017. Lugar que, dentro de campo, não é o seu.

E eu acho que nunca saberei dizer se é melhor disputar uma Série B por merecimento ou ficar na Série A por irregularidades extra-campo.

Eu só espero que o Inter de 2017 tenha vergonha na cara.
Todo Colorado que eu conheço troca uma vitória apática por uma derrota com os jogadores dando a vida dentro de campo. E é isso que nós queremos. Jogadores que corram, dividam a bola, empurrem o adversário no campo deles, não se entreguem até o último segundo.

Bem, o Inter tem um grande desafio para 2017.
Agora, estamos jogando um campeonato aonde não fomos campeões. O Inter PRECISA do título da Série B para poder continuar usando "Campeão de Tudo".