quinta-feira, 24 de maio de 2018

Aulas de debates, corvos e método científico

Sabia que ciência não é "busca pela verdade"?

Quer dizer. É. 
Mas não assim, no sentido literal.

Peraí. Eu explico melhor.
Vem comigo

"Ciência" não é uma profissão. Não é uma "coisa". Não é algo.
"Ciência" é um método. "Fazer ciência" significa que você "seguiu alguns passos" para chegar a uma conclusão.

A "Metodologia Científica" inicia com você levantando uma HIPÓTESE.
"Hipótese" é o que você chama de "teoria". "Hipótese" é apenas uma ideia solta no ar, sem qualquer comprovação.
É apenas um ACHISMO seu.

Por exemplo: "Até hoje só vi corvos pretos, portanto só existem corvos pretos no mundo!"

Isso é uma HIPÓTESE.

Antigamente, se você olhasse ao seu redor e confirmasse que todos os corvos que você vê são pretos, você criava uma LEI.

Evidente, que muitas "Leis" científicas foram derrubadas. O termo é tão estúpido que a ciência o abandonou. Hoje, não criamos mais LEIS: Criamos TEORIAS.

E o que é uma TEORIA?
Bem, não é o que você aprendeu. Não, a palavra não significa o que você acha que ela significa. Por favor, pare de usar "teoria" como sinônimo de "ideia", porque não é. Obrigado, você mora no meu <3.

TEORIA é qualquer HIPÓTESE que tenha passado em um TESTE.

Por exemplo: "Eu vou fazer uma viagem por todos os países do mundo para ver todos os corvos do mundo. Se todos os corvos que eu encontrar forem pretos, minha HIPÓTESE vira uma TEORIA!"

Bem.
Convenhamos que o teste proposto acima é impossível.
É mais fácil criar uma propaganda de TV pedindo para todos os corvos do mundo responderem um questionário quanto a sua cor do que imaginar que alguém possa realmente encontrar todos os pássaros na natureza.

Para testar nossas hipóteses, temos que ser mais INTELIGENTES.
Em vez de procurarmos TODAS AS CONFIRMAÇÕES da nossa hipótese, é mais inteligente criarmos um modo de ENCONTRARMOS A FALHA da nossa ideia.

Eu sei que ainda é difícil. Mas é mais fácil procurar por UM corvo que não seja preto, do que sair procurando TODOS os corvos do mundo.

A metodologia científica consiste em criar testes para FALHAR a conclusão proposta na hipótese.

Einstein disse que a matéria distorce o espaço, inclusive mudando a direção da luz.
Em vez de procurarem por todos os raios de luz do Universo para confirmar que todos são curvos, os cientistas aproveitaram um eclipse no Brasil para tentar derrubar a afirmação do trabalho de Einstein.
Eles esperaram o Sol eclipsado passar pela frente de uma estrela. Se Einstein estivesse errado, a estrela não seria vista. Se o Einstein estivesse certo, a enorme massa do sol (pouco menos da metade do peso da sua mãe) dobraria o espaço e a estrela que estava escondida seria vista pelos cientistas.

Os cientistas prepararam seus telescópios esperando NÃO VER a estrela. Isso seria suficiente para colocar o trabalho de Einstein no limbo do esquecimento. Esse era o teste para FALSEAR a ideia de Einstein.

Mas os cientistas viram a tal estrela.

E desde então, milhares de outros cientistas procuram milhares de outros testes tentando encontrar falhas no pensamento de Einstein. E até algumas ideias que achávamos que eram erradas, têm passado em novos testes, deixando a TEORIA mais e mais robusta. Cada vez mais próxima de ser uma verdade.

Bem.
Deu pra entender, né?

Porque eu escrevi tudo isso aqui?

Porque essa semana eu participei de uma "aula conversa".
Sabe quando o professor coloca todo mundo em um círculo, joga um tema na roda e deixa o pessoal debater?
Assim, sem nenhum objetivo claro, sem chegar a nenhuma conclusão?
O pessoal vai falando o que tem na cabeça, contando suas experiências pessoais.
Todo mundo fala, entramos em casos pessoais, específicos demais.

"Porque na minha família aconteceu uma coisa que tem a ver com o tema do debate e lá a gente resolveu jogando sal em cima da mesa!" - Diz alguém.

"Ai, que bobagem, minha tia vive o tema do debate todos os dias e o que adianta pra ela é ignorar que o tema do debate existe!" - Fala outro.

"Pff, o tema do debate é mimimi, isso aí nem existe!" - A pessoa se mete.

Nada dessa conversa é científico.
Nenhum conhecimento é gerado, testado ou disseminado ali.
O único proveito dessa conversa é estreitar laços pessoais. Se tanto. Porque geralmente as pessoas acham que discordando umas das outras o debate é mais válido.

A única coisa que acontece em uma dessas rodinhas é gastar tempo de todos os envolvidos. Sim, teria sido melhor ir ver o filme do Pelé.

E eu fiquei (ainda estou) irritado demais com isso.

E me enfurece mais ainda perceber que essa perda de tempo tem sido considerada válida por professores. Mestres - que deveriam proteger com suas vidas o método cientifico - abusam dessas conversas banais em sala de aula. Do pré até os pós-doutorados.
E muitos alunos passam toda sua experiência acadêmica achando que estão aprendendo muito apenas buscando os corvos pretos.
Enquanto isso, sequer aprendem que não devemos fidelidade a nenhuma ideia.
Em especial as nossas próprias ideias: elas são as primeiras que devemos testar. Exaustivamente. Todos os dias. Procurando cada pequeno erro que elas possam ter.

Esse é o tema, galera.
Vocês já passaram por isso na vida de vocês?
Vocês conhecem alguém que tenha passado por isso?
Querem contribuir deixando seu relato nos comentários?

Grupo, vamos escutar a pessoa que levantou a mão, ali.