quinta-feira, 24 de maio de 2018

Sobre Redistribuição de Renda

Existem duas informações que seguidamente saem nos jornais. Essas informações sempre são discutidas isoladamente. Eu mesmo nunca vi ninguém relacionar as duas em um único debate.

Você me acompanha rapidão nessa linha de raciocínio?

Valeu.

1 - Em abril de 2018, brasileiros com renda acima de R$ 5.214 estão entre os 10% mais ricos.

2 - No mesmo abril de 2018, o salário mínimo ideal para sustentar uma família de quatro pessoas deveria ser de R$ 3.696,95.

Bem. Eu só tenho amigos Super-Ultra-Mega-100%++ inteligentes. Então vocês pegaram os números ali no ar e já sacaram tudo o que eu quero dizer.

Mas esse post é público, então eu preciso repassar o óbvio, para o caso de alguém que eu não conheço acabar lendo.

Vamos lá. 

Riqueza é algo que se gera. Você percebe uma necessidade, busca conhecimento, matéria prima, investe seu tempo, cuida de toooooooda a burocracia e, no final, entrega a solução para a necessidade. Essa solução, é claro, tem um valor. Valor para a pessoa cuja necessidade está sendo suprida. Essa pessoa paga o valor que vocês dois concordaram.
E esse valor consiste no custo (fixo e variável) para produzir a solução, mais O SEU LUCRO.
A realização do LUCRO é o momento mágico em que o dinheiro nasce.
Esse dinheiro não existia na economia antes do seu cliente reconhecer o seu esforço em entregar uma solução.

Portanto, para aumentar a quantidade de "bolo" a ser distribuído entre as pessoas de um país, é necessário criar um ambiente econômico aonde as pessoas possam LUCRAR com o resultado dos seus trabalhos.

O PROBLEMA DO BRASIL É... que poucas pessoas conseguem lucrar. A imensa maioria não consegue criar soluções para as necessidades dos demais. Muitos tentam, mas acabam engolidos por um ambiente econômico que sufoca qualquer pessoa com iniciativa. E os poucos que conseguem vencer o sistema acabam comprando o próprio sistema para garantir que mais ninguém consiga tirá-los da sua liderança de mercado.

Traduzindo em miúdos: o pouco dinheiro que o brasileiro ganha é sobretaxado por impostos pesadíssimos. (Você tá reclamando do preço da gasolina? Cerca de 20% dele é só ICMS!)
Quando o brasileiro consegue realizar o sonho de abrir uma loja ou empresa, o Estado impõe tantas regras e tantos impostos que muitos negócios já nascem mortos.
As poucas empresas que prosperam acabam financiando políticos. Estes políticos criam mais e mais regras e impostos que só afastam concorrentes das empresas que os financiam.

Assim, a grande massa de brasileiros acaba dependendo de um salário que sequer alcança o mínimo necessário para sustentar decentemente uma família de tamanho médio.

E, se você for analisar estes números com calma, quem são os 20 milhões de brasileiros que recebem mais do que 6 mil reais por mês?

Políticos. Funcionários públicos. Médios e grandes empresários. Profissionais liberais proeminentes. Profissionais privados com décadas de experiência em sua área.

E olhe lá.

A realidade nua e crua revelada pelo cruzamento dessas duas informações é que mesmo a maioria dos 10% mais ricos do Brasil mal conseguem sustentar decentemente suas famílias.

Falar em "redistribuição de renda" em um país com a realidade desses números significa dizer que uma pessoa tem 100 reais e 99 não têm nada. E que tomar os 100 reais dessa pessoa e dar 1 real para cada um é "justiça social" que "garantirá o bem estar de todos"... 
"Bem estar" que não servirá sequer para comprar um pingado no bar.

A maioria dos 10% mais ricos do brasil seriam considerados miseráveis em países de primeiro mundo. "Como assim você sobrevive só com 2 mil dólares por mês? =O" - diriam.

Mas o mais absurdo da intersecção dessas duas notícias é notar que todos... TODOS NÓS. Do brasileiro mais pobre ao brasileiro mais rico. Todos nós damos dinheiro para o Estado.

E o Estado junta TRILHÕES DOS NOSSOS REAIS por ano.
Sim, a mordida é gigante. De cada 100 reais que você sua para ganhar, o Estado vai lá e fica com cerca de 73 reais.

Dinheiro seu. Dinheiro meu.

Dinheiro que poderia servir para você comprar seu carro, sua casa. Aquela roupa. Aquele curso, aquela viagem. Para aquele negócio que você teve a ideia e nunca teve o dinheiro para iniciar.

O Estado nos obriga a sermos pobres.
E, uma vez pobres, o Estado aparece como o salvador da colheita, com todas as soluções mágicas que precisamos para sermos felizes para sempre.

O maior concentrador de riquezas do Brasil é o Estado.
E ele é gerido por políticos corruptos.
Tomam teu dinheiro dizendo que vão melhorar tua vida, como se pudessem decidir por ti qual é o melhor destino para o teu dinheiro.
Para, no final das contas, teu dinheiro acabar em alguma conta em paraísos fiscais, em um triplex no Guarujá ou aeroporto particular em Minas.

Não existe divisão de povo no Brasil.
Estamos todos do lado "pobre" do país.
Do "lado de lá", contra o povo, apenas os políticos.

Pobre de nós.