quarta-feira, 18 de fevereiro de 2015

Analfabetismo Funcional

A notícia foi essa:


O vídeo é esse:



Essa foi a minha opinião no twitter:



E esse foi o entendimento destes dois belos interpretadores de texto:





 . . .

Ok amigo...

Agora começa o texto.

PRIMEIRO que eu choro aqui, pela incapacidade das pessoas de compreenderem um texto.
Aliás, nem é um texto: são duas meras linhas encadeadas. Dois pensamentos em um tuíte.
Um minuto de silêncio pela morte da interpretação de texto, por favor.

Como o pessoal parece não conseguir interpretar textos básicos, vou tentar explicar melhor tudo o que foi escrito. Na esperança de auxiliar alguém a entender como se interpretam textos.

1 - Das minhas afirmações.

Fiz duas.
Sim, duas afirmações. Queria dois pensamentos diferentes, criei duas frases. Não queria que houvesse relação estreita entre elas, então usei um PONTO para dividir os dois raciocínios.

Em um primeiro momento, deixei claro que NADA justifica a violência. 
Eu sei, essa frase é meio batida, já é quase um jargão. Então eu vou explicá-la melhor: Não existe ação, causa, motivo ou circunstância que uma "pessoa A" possa fazer para uma "pessoa B", que justifique a "pessoa B" usar de violência para com a "pessoa A".

Dá para entender com esta minha frase que não importa o que tenha acontecido: a violência do músico não está correta. O soco que ele deu não tem justificativa alguma. O músico está errado em bater na guria.

Estamos entendidos? Posso passar para a próxima frase? Beleza.

No segundo momento, afirmei que "Mas a menina não tinha nada que estar ali."
Dá para entender que essa frase não está intimamente ligada com a primeira frase? Que essa segunda frase independe da primeira frase?
Se eu quisesse uma ligação forte entre as duas afirmações, teria usado uma vírgula. A frase ficaria mais ou menos assim: "Nada justifica a violência, mas a menina não tinha nada que estar ali." NESSE caso a segunda oração seria subordinada à primeira, dando caráter de complemento, indicando que o fato da menina estar ali seria atenuante na violência que ela sofreu.

Mas a minha intenção era ressaltar que a menina também havia feito uma coisa errada. Invadir, em seu sentido amplo, é algo errado. Invadir uma casa, invadir um país, invadir o órgão sexual de uma mulher... "Invadir" dá a entender que você está entrando em algum lugar aonde você não teria permissão prévia para entrar. Logo, subir em um palco sem a permissão do artista é algo errado. Tanto é errado que as casas de shows, festivais, etc... mantém seguranças para impedir que pessoas subam no palco.
Existem vários casos de artistas que gostam e permitem que os fãs subam no palco. Quem aqui não lembra da "guitarrada" que o Kurt deu em um segurança que impediu um fã de subir no palco? O Billie Joe, então? Chama pessoas para o palco, entrega sua guitarra e deixa o fã tocar uma música com o Green Day! Entre tantos e tantos outros exemplos de artistas que não se importam, gostam e até incentivam os fãs a subirem no palco.
Quem aqui nunca dançou o Copérnico em cima do palco do Tangos e Tragédias???

Mas se o artista não gosta que suba no palco, por favor, não suba, Não insista. Aprenda a respeitar. O artista está trabalhando. Pode ser que ele perca a concentração. Pode ser que ele tenha alguma coisa guardada para o momento do show... E uma invasão pode atrapalhar todo o espetáculo... Ou pode ser que o artista seja só um babaca. Vá saber se a temperatura realmente atrapalha a execução das músicas do João Gilberto?

Enfim. Sem as amarras dos 140 caracteres, quis dizer justamente isso:
O artista está completamente errado em ter agredido a fã. Qualquer um que agride sempre está errado.
Mas também está errada a fã que subiu no palco sem permissão. Que invadiu o espaço do artista sem ser convidada.
Ambos estão errados nesse caso. Obviamente, a agressão física é um erro muito maior do que a invasão do palco. Mas ambas atitudes são erros.

Entendido?


2 - Da primeira resposta:

Analfabeto funcional. Analfabeto funcional com grave tendência ao feminismo burro.
PRIMEIRO, que em momento algum eu impliquei relação entre os dois fatos. Afirmei que um fato era errado e depois disse que o outro fato era errado. Ponto. Querer dizer que a segunda afirmação justifica a primeira (na qual eu já dizia que não havia justificativa!!!) é no mínimo "forçar a amizade". Eu acredito que as pessoas não são tão ruins a ponto de deturparem uma frase só para afrontar, então vou assumir que é burrice, mesmo.

SEGUNDO, que o fato de ser uma mulher é meramente casual. Foi uma mulher que subiu no palco, não foi um homem, travesti, sapatão, alienígena ou o diabo que for... Meu comentário não teve NENHUM apelo sexista. Não comentei sobre "um homem batendo em uma mulher" mas sobre "uma pessoa batendo em outra pessoa".
A violência contra a mulher está completamente nos olhos de quem leu.

No mínimo, uma pessoa que precisa ir para a quinta série, novamente. Aprender a usar pontos, vírgulas, etc... Saber lidar com orações, períodos, parágrafos, etc...


3 - Da segunda resposta:

"A culpa também é da menina, segundo o que você disse."
Aonde, cara-pálida? Deixei o seu avatar de Eric Cartman justamente para poder dizer: você escolheu bem. Ignorante e tendencioso, claramente distorcendo os fatos para atenderem seus próprios interesses. Interesse que, no caso, parece ser ajudar o amiguinho que falou bobagem.
Em momento algum eu disse que a menina teve culpa por ter sido agredida. Novamente, eu disse que a menina tem culpa por estar em cima do palco. Lugar aonde ela não deveria estar.

A menina trabalha com o músico? Ela estava fazendo parte do espetáculo? Ela tinha alguma contribuição para dar ao show, ali, naquele momento? Ela havia sido chamada por alguém para estar ali? Ela pagou por um ingresso para ficar no palco? Ela tinha o direito de estar ali?
Não, né? Então a menina não tinha nada o que estar fazendo sobre o palco. Independente da agressão do músico.

Pessoal não entende que se apresentar em público é difícil para um músico. Pessoal não entende que a música é a expressão dos sentimentos, dos pensamentos... da alma do músico. Pessoal não visualiza que é complicado você criar alguma coisa. Que a maioria dos músicos não acha que criou algo bom. Que os músicos têm medo de mostrar aquela fração do coração para todos. Que é um momento de dúvida, de frio na barriga, de incerteza. E paradoxalmente esse é um momento em que você tem que ser um showman. As pessoas te pagaram para escutar músicas executadas de forma perfeita, com uma apresentação que justifique escutar ao vivo e não no MP3. Por mais que o músico pareça convencido de sua qualidade ou experiente, essa confusão toda sempre precede cada apresentação.

Estar sobre o palco é estar no fio da navalha. Você está fazendo algo e será criticado por isso.

Então se o músico permite que subam no palco, beleza! Aproveite! E se o músico não permite que pessoas subam no palco, é porque existe um motivo. Respeite.

Viu como existem diversos meios de compreender o que eu tentei dizer? Você pode ler com os olhos de um extremista feminista doente com baixa capacidade de interpretação de textos... Você pode ler capciosamente, tentando ajudar a consertar o erro medonho que seu amigo cometeu.... Você pode ler da posição de tiete louca para subir no palco e dar um beijo no Bono... Você pode ler como um punk que pouco está se fodendo pra banda e só quer um lugar alto para pular e fazer um mosh (e o palco é o ideal!)... Você pode ler como um músico que gosta da interação com o público... Você pode ler como um artista que odeia quando algum fã sobe no palco e interrompe o que você estava fazendo...

E essas foram as visões que eu consegui levantar agora, rapidamente.
Certamente os exemplos se empilham. Pode ter a visão do homem de negócios, do técnico de iluminação, dos próprios seguranças, dos fãs que não gostam de ter o show atrapalhado por outros fãs...
Cada um pode interpretar de um modo diferente.



Eu insisto na minha tristeza. É horrível morar em um país aonde as pessoas não possuem a habilitação básica para convivência. Sequer nosso código de comunicação é dominado. Quanto mais a empatia e o carisma para entender os posicionamentos e as respostas das pessoas.

Quanto ao Afroman: tomara que ele seja obrigado a pagar uma bela indenização para a menina ou que seja preso por um tempinho, para reflexão.

OPA! O Afroman é negro. Daqui a pouco alguém vem aqui dizer que eu sou racista e persigo negros!


ATUALIZANDO:

O Afroman foi preso. Pagou fiança. Diz que vai se internar em uma clínica para tratamento de ansiedade.
Tentou dar uma desculpa que havia alguém na platéia sendo inconveniente e, quando a menina se encostou nele, ele pensou que era esse cara inconveniente.

MESMO que tivesse sido o cara inconveniente, novamente afirmo, NADA justifica a violência.
E de qualquer forma, se a pessoa não foi convidada a subir no palco, não tinha nada o que fazer ali.

Aqui o link com a notícia:
http://oglobo.globo.com/cultura/musica/2015/02/19/615582-rapper-afroman-preso-por-socar-mulher-no-palco