terça-feira, 24 de fevereiro de 2015

Florianópolis: Um ano morando na ilha!

Antes de mais nada: Quero expressar o quanto eu fico CHATEADO com os leitores do Ponto Final!. Não os de sempre, os de fé, mas sim com os leitores ocasionais.

No início do ano passado eu fiz o texto "Florianópolis: Impressões dos três primeiros meses morando aqui".
Muitas pessoas leram o texto. Principalmente pessoas que buscavam informações sobre a cidade.
Fico extremamente feliz em ter escrito um texto útil, que ajuda efetivamente as pessoas.
Porém muitos... Mas muitos MESMO... Leram o texto, procuraram meu e-mail e entraram em contato diretamente comigo para tirar mais dúvidas. 
Eu fico me perguntando: esse povo não sabe como funciona um blog? Tem uma sessão de comentários ali embaixo. Poste sua dúvida. Eu prometo que, assim que eu puder, eu respondo. A sua dúvida pode ser a dúvida de muitos outros. Se eu te responder, talvez esteja tirando a dúvida de milhares de outras pessoas. Podemos, juntos, complementarmos o texto e disponibilizarmos mais informação para as outras pessoas.
Não seria sensacional?

Se for pra me chamar no chat, me chame pra tomar uma cerveja! Hehe!

Posto isso, esse aqui é o link do primeiro texto. Leia ele antes.


O tempo passou... e esse aqui é meu o texto de dois anos morando em Florianópolis! Leia ele depois!

http://www.pontofinal.blog.br/2016/03/florianopolis-dois-anos-morando-na-ilha.html

Agora, pretendo falar sobre as minhas impressões depois de um ano morando aqui em Florianópolis, já respondendo a maioria das dúvidas que o pessoal fez pra mim diretamente.



A primeira coisa que eu tenho pra dizer sobre a capital catarinense depois de um ano morando aqui é: CAI FORA DA MINHA ILHA SEUS HAOLES!!!



HAHAHA!

Brincadeiras à parte, vamos complementar o primeiro texto com as impressões de um ano morando aqui em Florianópolis.

Trânsito: Isso aqui é insano. Um ano aqui e eu mudei minha opinião para pior.
Florianópolis tem uma dúzia de boas estradas. O resto são vielas, passadiços e becos. Para cada rua transitável desta cidade, deve haver umas 3 aonde passa no máximo um carro! Calçadas? Só nas ruas principais. E aonde as calçadas existem, é comum que hajam carros estacionados sobre elas.
AI DE QUEM ME FALAR DE "INDÚSTRIA DA MULTA" AQUI NA ILHA! O povo transgride leis de trânsito sem a menor cerimônia.

O ritmo de praia faz os pedestres acharem que podem atravessar aonde quiserem. Os ciclistas andam por cima das calçadas com ar de indiferença e até mesmo em calçadas AO LADO DE CICLOVIAS! Bem, pedestres andam nas ciclovias, carros estacionam em ciclovias, também... A bagunça é generalizada.
E por falar em praia, aqui entope no verão. E "entope" é o termo técnico/científico mais acurado para o que acontece. É engarrafamento para chegar, para passar pelo centro, na beira-mar norte ou no túnel, na UFSC, na ida para as praias do norte, na lagoa, para ir para o aeroporto, na barra da lagoa... Há engarrafamentos por todos os lados.

Os ônibus daqui são um capítulo à parte. Os motoristas, sem exceção, parecem que estão dirigindo carros de Fórmula 1. Aceleram e freiam bruscamente. Fazem curvas de modo perigoso. E isso é um saco para quem dirige perto deles... e para quem está dentro do ônibus. E aí do usuário que pedir calma ao motorista! Já vi gente sendo expulsa do ônibus por conta disso!

Táxi? A situação só piorou desde que eu cheguei aqui. Praticamente não existem táxis em Florianópolis. São muito poucos carros em serviço. Eles não rodam a cidade. Ficam estacionados em seus pontos, fazem a viagem e correm para o ponto, novamente. E são pouquíssimos pontos. Como são poucos carros, eles quase sempre estão em serviço e é raro você chegar em algum ponto e ter um táxi à disposição.
Aqui taxista reclama de corrida em dia de chuva, de corrida curta, de corrida em dia quente, enfim... de qualquer corrida.
E cobram caro. Muito caro. 

Eu não sei o porquê, mas não há transporte marítimo aqui. Porto Alegre tem catamarãs cruzando o Guaíba, levando e trazendo pessoas a preços módicos e velocidade eficiente para vários lugares... Porque Florianópolis não pode fazer uma série de trapiches e duas linhas circulares (horário e anti-horário) em volta da ilha???

Insisto na necessidade de mais duas pontes. Uma no norte, outra no sul da cidade.
E na cidade, faltam uns dois túneis. Pelo menos. Um no acesso para a Lagoa, com certeza.

Enfim.

O trânsito é uma merda. Mas vale a pena encará-lo para chegar a todos os lugares da cidade. Porque nisso eu continuo com a mesma impressão lá dos meus três primeiros meses, aqui: para onde quer que você olhe, há uma paisagem fantástica esperando para te deixar maravilhado com a natureza. Entenda: há um ano eu olho a mesma paisagem da minha janela. E eu não estou nem perto de me cansar dela!

Pessoas: O pessoal aqui é complicado. Quem é daqui é meio bicho do mato. Quem não é daqui geralmente sente uma saudade gigantesca de onde veio. E a esmagadora maioria não é daqui. Seja por estudo ou por trabalho, quase todos têm algum lugar para voltar de visita de vez em quando.
Tanto que nas folgas é comum o pessoal que mora aqui viajar para as suas cidades... No contra-fluxo de quem vem para aproveitar feriados e férias na praia... Vá entender!

O pessoal daqui possui um chiado que chamam de "sotaque"... Aqui ninguém sabe sibilar a letra "S". Não. Eles colocam "X" em qualquer lugar aonde o "S" deva ser pronunciado.
"Maix"
"Ônibux"
"Xupermercado"
"Rextaurante"

Essa mania irritante somada à necessidade que esse povo tem de falar rápido transforma a experiência de entendê-los no 13º trabalho hercúleo. Pedir informações na rua? Desista. "Québra áx dirêta, québra áx ixquêrda, segui rétotodavida e tu chêgax lá, meu quiridû."

Festas: São ótimas. Saí o suficiente para dizer que qualquer festa aqui em Floripa é demais. Lagoa, Ingleses, Jurerê, Beira Mar, UFSC... Floripa é um ovo no que se refere as pessoas e cedo ou tarde você acaba conhecendo a maioria dos que estão aqui.

Comércio: Mas mesmo sendo um ovo, mesmo sobrevivendo de turismo, mesmo as pessoas vindo para cá para trabalhar, Floripa não tem boas lojas, nem bons serviços. Os comerciantes não são bons em atender aos clientes. Parece que eles estão te fazendo um favor ao te proporcionar o privilégio de te fornecer um produto a preços MUITO MAIS CAROS QUE EM QUALQUER LUGAR DO MUNDO! A famosa "taxa da ponte"... O produto cruzou a ponte? Já fica mais caro.

Outro dia fui comprar um sorvete em uma sorveteria artesanal. Um colega pediu que eu comprasse e trouxesse um sorvete para ele, também. Pedi à moça da sorveteria que tampasse o potinho que estava com o sorvete com um segundo potinho. Ela disse que não poderia. Eu perguntei-lhe quanto custava um potinho vazio. Ela disse que não venderia...
Entendeu o que aconteceu? Uma COMERCIANTE negando a venda de um dos seus produtos! E pior: de modo GROSSEIRO! Resolver o problema de um consumidor? AFF! Pra que???

Supermercados? Evite o Rosa. Big é o Big. Imperatriz e Angeloni "quebram o galho". O Hippo é o menos pior de todos. MENOS. PIOR.

Nos mercados acontece uma coisa interessante. Quando é verão e o número de pessoas aumenta, a VARIEDADE das coisas cai drasticamente. Quando os haoles turistas vão embora, a VARIEDADE das coisas volta a crescer...
Exemplo?
No inverno os mercados têm cervejas de trigo (e outras especiais) para vender.
No verão tu ficas feliz (de verdade) se encontra Budweiser ou Heineken em uma prateleira. Se encontra gelada, você gastou sua sorte da semana com isso!

Não sei que lógica é essa. Mas ela acontece.

Restaurantes: Seguem a mesma lógica do péssimo atendimento, da taxa da ponte em seus preços e, é claro, da falta total de estacionamento que força as pessoas a estacionarem sobre as calçadas.
Ter um carro aqui em Floripa é um misto de necessidade com desafio.
E se prepare para comer peixe. Não há um único restaurante aqui que sirva uma carne decente. Um churrasco bem feito. Um bifão suculento. E os poucos que servem algum remendo para a carne vermelha são MUITO MAIS CAROS do que os que servem frutos do mar.

E haja ostra e camarão servidos de um milhão de modos diferentes...

Clima: No verão Floripa é QUENTE. QUENTE tipo inferno em situação de calamidade por incêndios. Qualquer um que pense em morar aqui já tem que vir pensando na instalação de um ar condicionado. Sério. Não é opcional, não é brincadeira. Em dezembro, janeiro, fevereiro e março só é possível trabalhar ou dormir com o ar condicionado. Quem tem a opção de ficar na beira da praia com uma cervejinha talvez não sinta tanto. Mas o calor é horrível.

Aqui chove bem, sim. Só que, diferentemente de outras cidades aonde vivi, o temporal aqui não cai às 18hs mas, sim, perto da meia noite. quando chove pode ser que alguns pontos alaguem. Mas são casos bem isolados. Não são quilômetros de cidade sob a água, igual outros lugares aonde já morei...

O inverno que passei aqui foi ameno. Mas os relatos do pessoal dizem que o mar faz com que não seja tão frio, mesmo. Entretanto é bastante ventoso.

Lugares para morar: Floripa é uma cidade naturalmente cara em tudo e nos aluguéis/compras de imóveis não é diferente.
Por causa do trânsito caótico, eu recomendo fortemente que você escolha morar em algum lugar próximo ao seu futuro trabalho/estudo, aqui. Sério.


Os bairros que eu conheço e sei que são bons para morar: Trindade, Itacorubi, João Paulo, Inglêses, Rio Vermelho e Centro (beira mar norte, centro histórico e ao longo da av. Mauro Ramos).
Se o nível econômico permitir, partiu Jurerê. Em Canasvieiras TUDO fecha no inverno... e no verão chegam os argentinos em seus trailers com música alta até às 5hs da matina. Boa sorte ao tentar dormir.
A Lagoa e a Barra são ótimas. Mas o acesso... Bem, tenha um carro e esteja pronto para judiá-lo. Para ir para a Lagoa você pega uns 5 engarrafamentos desde a ponte. E o engarrafamento da Lagoa é o que mais judia o veículo, devido ao morro.
Eu só vou para o sul quando preciso ir ao aeroporto. Logo, não tenho muita ideia se são bons lugares para morar. Aparentemente os lugares parecem ser bem humildes.
De qualquer forma, esteja preparado para pagar aluguéis entre R$900,00 e R$2.000,00.

Infraestrutura Básica: Em muitos bairros falta água de vez em quando. Esteja ciente que você pode ficar até uma semana sem água em casa. E sem aviso prévio.

Vista aérea da Trindade,
Av da Saudade, Itacorubi e João Paulo
Os serviços de telefonia são iguais às das demais capitais. Uso Claro 4G e ela pega muito bem no centro. Mas conforme volto para o Itacorubi, o sinal vai enfraquecendo até alcançar o wifi de casa. O mesmo se repete com Tim, Oi e Vivo. Escolhi a Claro pelo combo com a NET, da qual já era cliente.

Florianópolis está próxima de algumas termoelétricas e, por isso, não costuma faltar energia por aqui. Se existem cortes, são muito pontuais, não passando de poucas horas anuais. (Provavelmente por manutenção da rede, nunca avisada com antecedência, claro.)

Uma coisa que eu gosto de aproveitar em Florianópolis é a caminhada/pedalada na beira mar norte... São pelo menos 10Km de calçada e ciclovia com uma vista fantástica! Passe seu protetor solar e bóra mexer esse trazeiro gordo! (hehe)

Política: A política, aqui, é quase transparente. Eu GOSTO de política. Sou ENGAJADO em política. PROCURO as notícias políticas... Mas eu não encontro NADA daqui! Não há ações da prefeitura. Não há publicidade. Veja bem: aconteceu a Feira do Livro na cidade e eu só fiquei sabendo porque PASSEI PELA FRENTE SEM QUERER!!!
Não sei o que falar da política daqui. As coisas demoram para serem feitas... mas funcionam. Quer dizer... funcionam daquele jeito... brasileiro... sabe como é...


Então... era isso.Acredito que complementei bem o primeiro texto.

Caso ainda sobrem dúvidas, quero pedir encarecidamente para que você use os comentários. Sério.
Eu prometo procurar responder todas. Outras pessoas podem ajudar e responder, também.
A dúvida de um pode ser a dúvida de muitos e a informação publicada é muito mais útil do que uma dúvida respondida diretamente por chat.

Agradeço muito a todos que acessaram e leram estes dois textos.