terça-feira, 20 de maio de 2014

Salário Mínimo: Porque a Suíça Disse "NÃO"!

Quero começar esse texto lembrando a você que o Brasil não é a Suíça. Não podemos comparar o Brasil com a Suíça. Brasileiros não têm a mesma química, a mesma biologia, os mesmos impulsos elétricos e, definitivamente, o mesmo padrão de pensamento do povo suíço. Somos seres de espécies diferentes. E eles são melhores do que nós.
Portanto, este não é um texto solicitando ao povo brasileiro que pense em exorcizar a praga do salário mínimo aqui do Brasil. Não... Não espero que esse país largue da barra da saia do Governo corrupto tão cedo.

Esse é um texto para tentar explicar porque os suíços rejeitaram um salário mínimo de 18 Euros por hora (ou 3.300 Euros por mês... ou mais de R$10.000,00 mensais.)...

"Só um louco rejeitaria tal salário!" - Diria você.
Só um louco aceitaria que o governo limitasse a liberdade da iniciativa privada, diria eu...

Como sempre, vou começar com uma recontextualização histórica. Porque brasileiro é muito ocupado com a novela das oito, com o BBB e com o facebook. Brasileiro não tem tempo para abrir um livro ou um site de história! (Aliás, não sei o que você está fazendo aqui! Muito obrigado pela visita!)

Por milhares de anos a humanidade baseou todo o esforço de produção em trabalho escravo e artesanal. Em algumas poucas épocas houveram homens livres que realmente conseguiram empreender comércio de modo satisfatório, aqui e ali pelo globo. Mas, na maioria do tempo e das civilizações, o trabalho escravo (direto ou indireto, com escravos determinados por credo, raça, dívidas ou espólios de batalha) foi explorado, em justaposição com práticas artesanais. Tudo era feito com as mãos. Humanos manipulavam ferramentas diretamente, criando objeto por objeto, em uma cadeia não muito científica. Os produtos resultantes até poderiam ser parecidos, mas nunca eram iguais.

Olhando esse panorama, é claro que o trabalho não é uma coisa legal. Ninguém gosta de ter que trabalhar para os outros, por horas a fio, recebendo muito pouco (comida, roupas e abrigo) ou nada em troca. Trabalhar é algo ruim, nesse tipo de pensamento.


Aí, entra em cena o metalismo... acúmulo de metais preciosos como balizador de riqueza e poder. O Metalismo logo dá lugar ao capitalismo... E as pessoas passam a utilizar o dinheiro para quantificar tudo na vida. Quantificar o valor desde os produtos mais básicos (como água e comida) até os produtos mais complexos, como o esforço da mão de obra...

Deixe-me falar um instante sobre o capitalismo. Ele não é o melhor método possível. Está longe do ideal, inclusive. Mas é o melhor método que nós conseguimos nos adaptar. E porque? Pelo mesmo simples motivo: O Capitalismo inspira todas as nossas desvantagens.
Pode olhar. Você gosta do Capitalismo porque ele te permite explorar a tua vaidade. Faz com que você consiga despertar a inveja nos outros. Sacia a tua gula, a tua luxúria. E no final todos nós queremos dinheiro o suficiente para podermos desfrutar de sombra e água fresca... ou seja, a preguiça! 
E se você não tem dinheiro para sustentar todos os teus pecados capitais, você corre atrás com mais vontade. Isso é a cobiça.
Leia os relatos de cidadãos do leste europeu e veja o quanto eles ficavam tentados com as maravilhas do mundo capitalista... Muitos arriscaram (e alguns até perderam) a vida para cruzar fronteiras. Só para poderem entrar no jogo capitalista e tentarem ter uma "vida melhor".

Então chegamos à revolução industrial. Algumas pessoas realmente brilhantes se esforçaram muito e desenvolveram as ciências. ESTUDARAM. E, com isso, INVENTARAM melhores meios para fazerem as coisas. Criaram máquinas. Desenvolveram filosofias e métodos de trabalho.
E algumas outras pessoas apenas ficaram sentadas, olhando...
É aqui que pessoas que defendem o capitalismo se diferenciam das pessoas que defendem o comunismo. Os esquerdistas têm pena dos pobres vagabundos. Fazem esforços Hercúleos para justificar a falta de iniciativa de quem nunca se esforçou.
Já os direitistas olham para as pessoas que conseguiram algo na vida. Pessoas que têm iniciativa para fazer as coisas. Pessoas que saíram do mesmo bairro sem saneamento básico, sujo, fedorento e repleto de doenças, que todos os demais... E conseguiram triunfar na vida com INTELIGÊNCIA E ESFORÇO. ou tu achas - realmente - que TODOS os inventores do MUNDO vieram de berço de ouro? Que Thomas Edson inventou a lâmpada - e outras centenas de coisas - porque seus pais tinham dinheiro?

Não, amigo. É preciso largar o chopp com os amigos. É preciso largar a novela à noite. É preciso esticar o período de trabalho e de estudo. É preciso arriscar o dinheiro que ainda não tem. É preciso o suor da persistência até que tudo dê certo. O sucesso vem ali, no final daquelas duas horas a menos de sono a cada noite, usadas para ler aquele livro a mais, que os outros não leram.

A este esforço, estudo e persistência adicionais nós, os capitalistas, chamamos de "iniciativa privada".

O esquerdista-comunista-coitadista acha que toda a pessoa que tem uma "iniciativa privada" nasce rico! E que só com essa herança vinda dos pais alguém consegue criar uma empresa. E os mesmos esquerdistas acham que essa empresa, uma vez aberta, é mágica! Que ela simplesmente "dá dinheiro"!

Pois eu vou contar uma coisa para você, que não entende NADA de matemática: uma empresa tem custos DEMAIS, naturalmente. Instalações, matéria-prima, manutenção, energia elétrica, água, combustíveis, ferramentas... A contabilidade joga o salário dos funcionários na conta de "despesas" (embora eu insista que o lugar certo disso seja em "investimentos")... Normalmente uma empresa já custa MUITO caro.
Mas aí vem os esquerdistas e sobrecarregam as empresas com mais impostos. Mais taxas. Isso quando os esquerdistas não querem impor o preço final dos produtos da empresa! Mal sabem os esquerdistas que a venda do produto da empresa é o que gera receita (e paga todas as contas) para a empresa!

Nisso tudo, os esquerdistas-coitadistas acharam O FIM DO MUNDO que as empresas oferecessem quanto quisessem pela mão de obra. Um insulto! Como assim uma pessoa (que começou uma empresa do nada, sem a ajuda de mais ninguém) tem o direito de decidir o quanto poderá pagar para seus funcionários, de acordo com a receita de sua empresa?

Amigo, a arma de qualquer um no capitalismo é o boicote. Se o salário oferecido está baixo, a empresa terá menos procura de candidatos à vaga... O mundo é capitalista, lembra? A concorrência fará com que algumas empresas queiram se diferenciar por qualidade. E essas empresas terão que contratar os melhores funcionários. E elas não contratarão os melhores funcionários com salários baixos. E mesmo que as empresas paguem salários baixos para todo mundo: se a população não tiver dinheiro, ninguém consumirá. E sem consumo, os produtos que a empresa pagou para produzir, ficarão estocados, parados. E se a empresa não vender, ela não vai ter receita para se manter. E terá que fechar. QUEM EM SÃ CONSCIÊNCIA IRÁ PROMOVER UMA POLÍTICA EMPRESARIAL QUE RESULTE NA ESTAGNAÇÃO DO MERCADO?
Vai lá. Estude a grande depressão da década de 20, nos Estados Unidos. Veja PORQUE os empresários JÁ SABEM que não podem pagar salários baixos...


Poxa vida, esquerdista... Se você não entende nada de matemática, VÁ ESTUDAR, PORRA! Enquanto isso, deixe a aplicação da álgebra booleana para quem estudou (provavelmente algum direitista)...

O salário mínimo nasceu como uma regulamentação comunista-trabalhista. Havia o medo de que as empresas pagassem cada vez menos para os funcionários. Realmente isso aconteceu lá no início da revolução industrial. E, se procurarmos bem, ainda acontece em todos os lugares aonde os patrões e os funcionários não têm sequer a educação elementar. 
Lugares como o Brasil, recheado de "trabalhos não-escravos", aonde o patrão oferece hotel, uma única mercearia na região e um salário que não cobre as despesas básicas dos "trabalhadores". Passa pouco tempo e os trabalhadores têm que "abrir crédito" com o "patrão". Não importa o quanto esses infelizes trabalhem, eles sempre estarão devendo para o "patrão" e, assim, nunca poderão sair do "emprego"...
Tenho MESMO que dizer que esse tipo de "empresa" não é a comum?

Amigo, trabalha no McDonalds quem quer. Eu não pego ninguém pela mão e obrigo a ficar no caixa da lanchonete para anotar e cobrar meu pedido. Aliás, eu estudei muito e forte (e continuo estudando) para não acabar em uma dessas lanchonetes...

Então existe um salário mínimo que é para que o Estado-babá cuide dos cidadãos-nenéns, que são incapazes de controlar a própria carreira. Carreira, essa, que geralmente começa nos colégios públicos, oferecidos pelo próprio Estado-babá... Um paradoxo, não? O Estado-babá tem a chance de criar cidadãos excelentes, empreendedores, com capacidade de inventarem produtos, serviços e metodologias... criarem seus próprios negócios, evoluírem na vida... Mas não. O Estado-babá cria uma multidão de analfabetos-funcionais. Imbecis que precisarão do Estado-babá para o resto de suas vidas infelizes. Pessoas sem iniciativa suficiente para desligar a novela das oito e ir ler um livro... Quiçá de fazer os cálculos, pegar um empréstimo, comprar os materiais e matérias-primas necessárias e abrir um negócio...

Os poucos de nós que enfrentam essa barra de criar uma nova empresa têm um baita problema. Às vezes o trabalho é tão bem feito ou o produto é tão bom que gera muita demanda. Lembra dos nossos pecados-capitais? Sim, somos todos culpados, gostamos de coisas boas. Se sua empresa fizer alguma coisa boa, as pessoas irão te procurar. E vão comprar mais e mais de você. Até que você, sozinho, não consiga atender a todos os pedidos.
Chegou a hora de contratar.

Mas... Para você contratar, você TEM que pagar o mínimo que o Estado-babá instituiu. E ainda tem que pagar uma montanha de impostos por ter empregado alguém.

Você não nota, mas isso tira muita gente do mercado formal. Há muitas empresas que poderiam estar pagando algum dinheiro pelo serviço de muita gente... Muita gente que está desempregada e adoraria ganhar um troco a mais por algumas horas de trabalho honesto. Afinal de contas, "melhor um pássaro na mão do que dois voando", né?
"Ai Arthur! Mas muitas empresas iriam reduzir os salários!" - Volte no texto. O mercado se regula. Os profissionais sabem o quanto valem e não se sujeitam a menos do que precisam para viver. E as próprias empresas sabem da qualidade dos profissionais que precisam. Se não pagarem o suficiente, não terão qualidade o suficiente. Há muita diferença no resultado de uma pessoa que trabalha por R$3.000,00 para o resultado de duas pessoas que trabalham por R$1.500,00. E quanto menos você pagar, pior será a qualidade do trabalho da pessoa que aceitar o que você está oferecendo...

Bem... Você, brasileiro, não entende isso. Por isso o Brasil PRECISA de um salário mínimo. Porque você lê o que eu escrevi e me acha um completo idiota. Acha que as minhas ideias são ilusões, são devaneios...

Mas...


O motivo? Exatamente o que eu escrevi ali em cima...
Eles têm certeza que, se instituírem um salário mínimo, muitas empresas terão que fechar as portas por não poderem arcar com as despesas. Não o bastante, isso inibirá a criação de novas empresas e o crescimento das que estão se desenvolvendo.
Pior ainda: sem empresas funcionando, muitas pessoas ficarão desempregadas. O que irá tirar dinheiro do mercado deles, prejudicando até mesmo as empresas que poderiam arcar com o salário mínimo.

Gente que não olha só para o próprio umbigo na hora de decidir. Assim, eles conseguem decidir o melhor para o futuro do país.

Mas... Como eu disse lá em cima. Esse texto não serve para que você queira acabar com o salário mínimo. para você, essa esmola que o governo te dá (com o dinheiro dos outros...) é muito importante. Esse texto serve só para que você veja que o brasileiro não está preparado para ser de primeiro mundo. Nem hoje, nem "no futuro".