sábado, 31 de maio de 2014

Brasil: o País do almoço de graça

Ontem à noite eu cheguei em casa, liguei o wifi e fui dar uma volta pelas redes sociais. Passadas umas cinco ou seis postagens, fui apunhalado por um pequeno texto. Esse pequeno texto calou tão fundo, que conseguiu turvar minha visão. Em um combinado de desatenção, mal entendido e vontade de falar o óbvio (que parece que só eu vejo), cheguei a direcionar a minha resposta para o colega de trabalho que compartilhou o texto... De modo equivocado. Sim, nem notei o nome direito de quem havia escrito o texto. A ânsia de responder aos absurdos era tão grande, que eu só consegui escrever a ideia para o sujeito que li no topo da página.

Já me desculpei antes com o colega Rodrigo Sorato. Desculpo-me novamente.
Esse é um dos males de ser novo na empresa. Não relacionar nomes com as pessoas corretamente, ainda. Fiquei constrangido com o engano. Tomara que eu consiga arrumar tudo com o colega de trabalho.

A minha resposta foi escrita pensando no verdadeiro autor do texto. Sempre que escrevi o nome da pessoa na minha resposta, estava me direcionando ao autor do texto. Desculpe Sorato, estou envergonhado pela confusão. Mas continuo com a minha opinião para com o autor do seguinte texto:


E, aqui, coloco a minha resposta:

Não existe almoço de graça.

Eu acho muito conveniente que o Sr Nilson Lage não admita que falem mal do Brasil. Afinal de contas, ele mesmo descreveu que se beneficiou do sistema por toda a sua vida!
Ele mesmo diz: "Jamais paguei um tostão para estudar" e "Fiz carreira acadêmica sempre por concurso". O Sr Nilson Lage parece não compreender que as instituições públicas em que ele estudou e deu aula foram pagas por todos nós. Nossos impostos. Dinheiro que VOCÊ, EU e a ESMAGADORA MAIORIA da população deixamos de gastar com NOSSAS necessidades, para DAR ao GOVERNO. Sim, DAMOS dinheiro para esse governo corrupto e ineficaz prestar serviços para uma parcela minúscula da população. Serviço prestado através de funcionários públicos, com toda a qualidade e motivação que a estabilidade em seus empregos pode proporcionar. Serviços que eu não preciso mencionar a QUALIDADE FINAL porque é de conhecimento de todos.

Não existe almoço de graça, Sr Nilson Lage. E é natural que você defenda o país cujo sistema te deu algo na vida. Pena que, para que o senhor tenha algo, muitos outros tiveram que abrir mão de seus sonhos pessoais. Abriram mão de criarem negócios, gerarem mais empregos, prestarem serviços no setor privado, cuja qualidade é regulada pelo governo (ok, por esse não é) E pela livre concorrência. Coisa que acontece em MUITOS outros países do mundo, aonde as pessoas não têm as "oportunidades" que o Brasil oferece e, mesmo assim, a população em geral vive muito melhor do que as pessoas mais "ricas" do nosso país.
Os "pobres estão menos pobres" porque O MUNDO está mais rico, por causa da alta procura por bens básicos por parte da China.
Faculdades se espalham no Brasil porque quase não temos mais cursos técnicos. Pessoas vão para a faculdade para "ter uma profissão", não para pesquisar novas tecnologias. E a qualidade dos formandos... Bem, basta ver o resultado per capta da nossa produção científica, no mundo. Quantos prêmios Nobel temos? É, né?

Não existe almoço de graça... Não. Péra. Aqui no Brasil existe. E você, Sr Carlos Damião, conseguiu seu convite para o banquete, comeu, se fartou e, agora, está aí: arrotando em cima da multidão que não conseguiu entrar na boquinha.
E como cereja do bolo de sobremesa, ainda mostra toda a sua capacidade intelectual ao dizer que irá bloquear pessoas que têm o pensamento adverso. Pensamento típico do abobado esquerdista que gosta de jogar confete no que o PT está fazendo... Ou de nacionalista extremista, vulgo "nazista".