sexta-feira, 4 de outubro de 2013

Carteiraço

Novamente, quero deixar claro, aqui:

Existe O CERTO e O ERRADO. E eles são absolutos. O que é certo é certo em todos os lugares, em qualquer momento e de forma inquestionável. Da mesma forma, o errado é errado desde sempre, eternamente, em qualquer ponto "xyzt" que você queira determinar.

Vou mais além: o certo e o errado estão instalados na parte mais basal do cérebro de cada ser humano que já existiu, existe ou existirá. E vamos deixar registrado: em cada um de nós é instalado o mesmo grupo de regras. Você e eu sabemos o que é certo e o que é errado. Instintivamente.

Exemplos?
Matar é errado. Quer seja aqui na nossa sociedade ocidental sem aborto ou pena de morte, "politicamente correta", quer seja no meio de uma guerra mundial, bem no meio de um território em disputa, sem dono, sem lei e sem qualquer civilidade.

Mas, então, porque diabos alguns lugares do mundo subvertem a ordem do certo e do errado?

Por causa de poder, amigo. 
Malditos seres humanos desgraçados que não têm senso de coletividade algum. Cada um pensa só no próprio rabo, e que se foda o mundo a sua volta. Em resumo: malditos e desgraçados todos nós.

Sim, cada um de nós é interesseiro em causa própria. Militante em causa própria. Párias dissimulados os que conseguem apoio para a própria causa, geralmente enganando os seus iguais, os seus seguidores, seus asseclas ou os idiotas pobres diabos imbecis. 

Toda vez que alguém tem algum tipo de poder logo o utiliza para garantir a manutenção do próprio poder. Uma vez estabelecido o mecanismo de realimentação eterna do próprio poder, é hora do abusado passar a utilizar o poder estabelecido para conquistar mais poder.

E toda essa conquista de poder passa, justamente, por transmutar todas as coisas erradas que o beneficiam em coisas certas e, naturalmente, transformar as coisas certas que o prejudicam em coisas erradas.

Já dizia a frase famosa: "Quer conhecer um homem, dê-lhe poder."

Exemplos de como as pessoas se utilizam do poder para confundir o senso de certo e errado, para garantir mais benefícios próprios?

Quantos regimes ditatoriais você lembra que já promoveram a queima de livros?
Vamos concordar que todo livro é algo especial? Mesmo as piores ideias escritas contribuem - de alguma forma - para a discussão geral sobre o tema abordado. Até o "Minha Luta" de Hitler é útil. Mostra toda a ideologia que cria ódio racial. Ensina a nos precavermos destes pensamentos, evitando que novas tragédias como o holocausto ocorram.

Portanto, nenhum livro deveria ser destruído intencionalmente. Nunca.
Logo, queimar livros é errado!

Mas ditadores sabem do poder da palavra escrita. Palavra escrita que é lida e se transforma em ideias. Ideias que iniciam e promovem debates. Que criam novas ideias. Que se transformam em uma nova cultura. Que muda o pensamento da população.
E, é claro, o interesse do ditador (pessoa com poder) é que nada mude. O ditador sabe que a manutenção do seu poder passa pela manutenção da ideia de que ele tem poder. Logo, livros são perigosos. Livros subvertem a ideia (já subvertida) instituída. Livros podem tirar o poder dos ditadores. E, assim, derrubar ditadores do poder.

Então, o ditador inverte o certo e o errado. Utiliza-se do poder que detém para garantir que as novas ideias mantenham-se afastadas. E passa a atacar as ideias que podem ameaçá-lo. Deste ataque para uma pilha de livros queimados é um passo pequeno. Passo de formiga, conforme a brincadeira de crianças, diria eu.

Assim, amigo, as pessoas que têm interesse em manter ou obter mais poder se prevalecem e forçam a inversão de todos os valores que os convém.
O mais triste é que esse processo funciona.
Começa com pressão. Passa pelo apoio da massa. E é sempre bom lembrar da fala do agente K, em MIB: "uma pessoa é inteligente, o povo é burro"... 
No conforto da nossa casa, nós sabemos que os políticos são corruptos, ladrões, sem-vergonhas de merda, são feios, burros, chatos e tem cara de mamão. Mas, no primeiro comício, nós nos juntamos à multidão e acabamos concordando com tudo o que o Maluf está falando no palanque...

O senso comum esmaga a nossa individualidade. E, quando notamos, é mais fácil seguir o fluxo do que ir contra a maioria. A lavagem cerebral tem início, então. Diretamente na família, depois na comunidade, passa pela escola, universidades, empresas, etc...

Logo, estamos aceitando como comum seccionar a sociedade. 
Cometemos o CRIME de atribuir características fixas a seres livres, divergentes e diferentes entre si!
Homens rústicos, fortes, provedores, insensíveis X Mulheres delicadas, donas de casa, parideiras, sensíveis;
Brancos colonizadores, repressores, inteligentes X Negros subdesenvolvidos, mão-de-obra, burros;
Heterossexuais opressores, intolerantes e violentos X Homossexuais vaidosos, escandalosos, pacíficos;
Ricos aproveitadores X Pobres coitadinhos...

Chega a ser tão estúpido isso tudo, que uma mesma pessoa ESTÁ em um grupo "vítima" e, ao mesmo tempo, em um grupo "opressor"!

As pessoas que detém e querem manter o seu poder nos colocam uns contra os outros. E nós - pragas estupidas mal paridas - aceitamos essas classificações estúpidas e ficamos nos digladiando uns contra os outros, chafurdando nesse poço de merda.

Estou escrevendo tudo isso porque, nessa semana, eu falei uma coisa que é certa. Pedi para que seguissem uma lei (eu acredito que a lei está errada, diga-se de passagem. Mas o certo é seguir a lei!) e recebi uma resposta ao estilo "não dá para se levar a vida sempre pelo certo"...

Amigo, dá para levar a vida sempre pelo correto, sim.
Aliás, teríamos um mundo muito melhor (JUSTO), se tudo fosse pelo certo.
O problema é que É INTERESSE dessa pessoa que detém algum poder, que as coisas continuem do modo que estão. Erradas.

E, como eu já mostrei aqui, todos sabemos o que é certo e o que é errado. Você, eu... essa pessoa. Nós, que não temos poder, engolimos a seco. Deixe estar. Aceitamos porque "manda quem pode, obedece quem tem juízo..."

Mas eu fico imaginando: SABENDO que estão fazendo as coisas do modo errado só para se beneficiar, como dormem essas pessoas?

Deve ser uma droga viver a vida calando o diálogo interno. Buscando argumentos para calar a vozinha que te mostra o tempo todo aonde você está errando. A consciência berrando "você sabe que não está fazendo o certo", enquanto o lado consciente fica buscando compensações para os atos errados: "mas eu estou fazendo certo ali, ali e ali..." Como se desse para compensar um erro com um acerto...