segunda-feira, 13 de junho de 2016

Atentado de Orlando

Cara, eu tô cansado.
Sério.
Cansado DEMAIS de vocês todos.

Vocês são só BURROS, do tipo ESTÚPIDOS, ou estão SE FAZENDO DE BOBOS para passar bem?

Tá. Não você que está lendo o Ponto Final!.
Você é alguém especial, inteligente e está a fim de colocar o cérebro pra funcionar.
Beijos de luz no seu coração.

Quando eu digo "vocês", estou me referindo à imensa maioria da população. Aquela galera que se amontoa do sino do desvio padrão da mediocridade. Sabem aquelas pessoas que se acotovelam por um lugar mais próximo da média? Que se sentem felizes por estarem no lugar com mais companhia o possível? (Mesmo que a companhia seja até mais medíocre do que eles próprios...)

Vamos aos frios, chatos, intolerantes e exatos FATOS.

Um MALUCO, adepto de uma RELIGIÃO DE MERDA (desculpe a redundância... mas eu preciso reforçar a ideia), pegou armas, entrou em uma boate gay em Orlando e saiu atirando. Feito o louco que é, esse RETARDADO MENTAL matou 50 pessoas (até o momento) e deixou pelo menos mais 50 feridos.

Quer ver o desespero disso?
Na imagem abaixo, a troca de mensagens de um jovem - gay - com sua mãe.


"Mamãe, eu te amo"
"Estou no clube, eles estão atirando"
"Você está bem?"
"Preso no banheiro."
"Qual clube?"
"Chame eles, mamãe" (provavelmente a polícia)
"Agora"
"Eu estou falando, eu estou no banheiro."
"Ele está chegando."
"Eu vou morrer."

-------------------------------------------------------------------
Momento para eu respirar fundo.
Só um instante.
-------------------------------------------------------------------

Você me conhece.
Eu sou um liberal clássico.

Eu tô pouco me lixando para o seu sexo, classe social, "raça", local de nascimento, religião, orientação política, código de moral, código de honra, manias ou qualquer outra merda que você escolha.
Eu acredito quase cegamente que "gente feliz não torra o saco". E como conseguimos deixar as pessoas felizes? Simples: deixando que elas façam o que querem.

Afinal de contas, QUEM SOU EU pra dizer o que VOCÊ pode ou não fazer?

Nossas leis, nossas regras, nossos estatutos... Tudo o que convencionamos entre nós faz parte apenas de um imaginário. E esse imaginário nós só respeitamos porque queremos. Basta você sucumbir a um impulso interno que nenhuma lei estipulada conseguirá te impedir de fazer o que você quer.

"Tudo pode entre quatro paredes", não é?

E se "tudo pode entre quatro paredes", basta um pouco de confiança para poder fora das quatro paredes, também.

Entenda: nas nossas leis dizem que não se pode roubar. Mas pessoas roubam.
Na nossa lei existem punições severas para quem assassina. Mas pessoas matam.

Se convencionamos que não as pessoas não devem fazer as piores coisas possíveis e, mesmo assim, elas fazem... Porque diabos alguém tem a ilusão de que pode impor preferências pessoais bobas às outras pessoas?


ISSO.
É.
INSANO.


Há fortes indícios (e eu só tô escrevendo "fortes indícios" porque é o politicamente correto a ser feito...) de que o atirador era muçulmano. Esse imbecil fazia parte do ISIS. Ele ligou ANTES do atentado para expressar o que ia fazer e pedir a permissão ao grupo (procedimento típico dos terroristas). Esse energúmeno era filiado aos Democratas (partido de esquerda norte-americano), era militante pelo desarmamento e atuava em pautas de esquerda. Tudo para se misturar ao meio.

Sério. Cliquem na imagem e leiam a sequência de mais de 50 tuítes da repórter Rukmini Callimachi.



"1. Bom dia a todos, eu estou começando uma nova
discussão sobre a tragédia de Orlando. As novas são
que a rádio oficial do ISIS reclamou o crédito (do atentado)"


MOTIVAÇÕES RELIGIOSAS.

Sempre. Sempre. Sempre essa PORCARIA de religião.
Fazendo as pessoas trocarem FATOS COMPROVADOS por DOGMAS ESTABELECIDOS.
Fazendo as pessoas desistirem de procurarem as respostas verdadeiras para aceitar mentiras repetidas... e que nem assim se tornam verdades.

E não me venha com "só a religião muçulmana é assim"... O próprio Cristianismo era assim até a Revolução Francesa. O Cristianismo era puro terror e barbárie à favor da corrupção e manutenção de poder de poucos sobre muitos. Quando houve a Separação Entre Igreja e Estado, o Cristianismo PRECISOU evoluir, senão seria EXTIRPADO do mundo. Infelizmente o câncer Cristão evoluiu e consegue coexistir até hoje no nosso meio. Mas não se engane: o Cristianismo é uma religião tal qual a muçulmana. E qualquer um pode ver que o Cristianismo - em TODAS as suas vertentes - SEMPRE tenta colocar as manguinhas de fora quando o momento é oportuno. Ficam quietos, se fazendo de vítimas, quase mortos... mas vira e mexe tem um político de bancada cristã querendo enfiar seus dogmas nos currículos escolares ou tentando determinar que exite "Cristofobia", entre outros absurdos.

Sério galera. Se livrem desses pensamentos atrasados.

Eu sei, eu sei...
Parece que eu não tenho empatia. Parece que eu não consigo sair da minha mente e ver o mundo pelos olhos dos outros. Mas só parece, eu garanto.
Sei bem que, assim como eu, vocês também são curiosos quanto aos mistérios do mundo.
Assim como vocês, eu também borro minhas calças de medo da morte. Somos seres conscientes do nosso prazo de validade. E a ideia de cessar nossa própria existência dá medo, sim.

A diferença entre nós é que vocês ACEITAM QUALQUER MERDA como resposta.
Basta que um pastor imbecil qualquer fale com propriedade para que vocês tomem as asneiras proferidas como líquidas e certas.
Eu, por outro lado, NÃO ACEITO QUALQUER BOBAGEM como resposta.

Esse atirador era um pobre coitado cuja mente havia sido lavada até que não sobrasse NENHUM pensamento racional. No lugar de qualquer pensamento decente, próprio, altruísta, investigativo e fraternal que ele tivesse, foram implantados SÉCULOS de LIXO RELIGIOSO. De modo que toda a orientação dos seus atos era ditada pela BABOSEIRA RELIGIOSA.

Isso é tão perigoso que chega a criar absurdos dignos de filmes de terror de quinta categoria.
Quer um exemplo? E que tal esse líder religioso que diz com todas as palavras que "matar um homossexual é um ato de compaixão"?


Isso é tão errado, mas tão errado, que não há sequer como culpar diretamente o atirador.
O terrorista não tinha mais cérebro. Não tinha mais livre-arbítrio. Não tinha mais nenhum traço do que conhecemos por "liberdade de pensamento", "personalidade", "individualidade" ou qualquer um desses preceitos, tão importantes para nossa sociedade ocidental.
O tal Omar Mateen era um boneco à serviço da loucura muçulmana radical.

Mas deixemos claro: essa lavagem cerebral da religião não se dá apenas em alguns indivíduos, não.
Quando a religião está associada à cultura e à política de um país, ela é difundida de modo obrigatório a todos os indivíduos.
Olhe esse vídeo, imagine que existem milhões de templos iguais a este e veja a dimensão do problema.



E aqui é importante citar uma coisa:

O MUNDO MUÇULMANO ESTÁ EM GUERRA CONTRA O MUNDO OCIDENTAL.

Puta que pariu, eu sou liberal clássico. Eu não quero guerras. Eu quero paz, mundo em fraternidade. Eu quero liberdade e igualdade.
Mais isso sou eu, na minha mente evoluída, pensante, livre de dogmas.

Lá do outro lado esses "robôs de Alah" estão tão condicionados dentro da estupidez religiosa, que para eles nós somos INIMIGOS. Só o simples fato de você não acreditar em Alah e RESPIRAR já te faz um ALVO para os muçulmanos extremistas.


E se você não notou ainda, já fazem algumas décadas que eles vêm MATANDO CIVIS INOCENTES aqui no ocidente.

(E eu coloquei "décadas" porque eu sou bonzinho. Quando o Cristianismo era bárbaro ocidentais mataram muçulmanos. E os muçulmanos mataram e escravizaram ocidentais, também. Lembra das invasões bárbaras à Península Ibérica? Que fizeram o Rei Dom João VI trazer a coroa portuguesa para o Brasil? Porra, a gente estudo isso em história lá pela sexta ou sétima série...)

Nós estamos em Guerra com os extremistas muçulmanos, sim.
O que acontece é que o mundo ocidental não dá muita bola pra isso.
Como o confronto não acontece nos nossos termos, em um campo de batalha pré-definido, com dois exército prontos, com militares treinados um de frente para o outro, nós não consideramos guerra.

E isso traz dois problemas:
1 - Os conservadores babacas querem impor o campo de guerra nos países de onde saem os extremistas e matar todo mundo...
2 - Os progressistas babacas ficam horrorizados com crianças e mulheres que os terroristas usam de escudo humano e exigem que o massacre pare.

No fim, ficamos entre devastar toda uma região do planeta ou não fazermos absolutamente nada e sermos mortos, dia após dia.


A nossa resposta a estes atentados é tão absurda, que em vez de tratarmos do real problema, usamos as tragédias para reforçarmos nossos próprios argumentos.

Assim, progressistas imbecis estão usando a tragédia no clube gay para defenderem suas bandeiras anti-armas, anti-homofobia, para acabar com a influência militar no oriente, etc...
E do outro lado, conservadores imbecis estão usando a mesma tragédia para dizerem que as pessoas precisam de armas para se defender, que o islã precisa ser eliminado, que as políticas de imigração devem ser endurecidas, etc...

Enquanto nossos líderes ocidentais se dispersam nessa briga, os civis morrem. Nova Iorque, Inglaterra, Boston, Paris, Bruxelas, Orlando... E tantos outros lugares.

É uma situação insustentável. Eu, enquanto liberal, não queria ter que falar sobre guerra. Não queria ser obrigado a apontar que a solução é tratar essa situação como ela realmente é: uma guerra declarada.
Não queria estar aqui dividindo o mundo entre "nós" e "eles". Eu queria um único país em um único mundo, aonde todos fossemos irmãos em fraternidade. Todos nós reconhecendo e aceitando nossas diferenças.
Mas ficar sobrepondo a realidade com o que eu gostaria que acontecesse não é certo. Isso se chama religião. E o problema - quer eu queira, quer não - é que estamos em uma guerra cuja nossa cultura não compreende totalmente.
O problema não é a imigração, o controle de armas, a causa gay, etc...


O problema é que O Droy Justice saiu uma noite para se divertir. Para escutar música que gostava. Para estar com amigos, dançar até o sol raiar. Para beber suas bebidas favoritas, beijar muito a pessoa que elE ama. Para celebrar a amizade, o amor. Para comemorar as coisas boas da vida.

O Droy escutou tiros e se assustou. Correu para o banheiro para tentar se esconder. Para tentar se salvar.
O Droy escutou os tiros se aproximando. Desesperado, ele só teve tempo de pedir socorro pra sua mãe e deixar eternamente registrado o quanto a amava.

O problema é que Droy morreu porque alguém, há muito tempo atrás, escreveu um livro que dizia que ele não poderia ser quem é, fazer o que faz. E muitas outras pessoas sem noção perpetuaram esse livro até hoje. E esse infeliz do Omar deixou essas ideias o guiarem.

Essas ideias absurdas interferem na liberdade das outras pessoas.
Essas ideias absurdas impedem a felicidade das outras pessoas.
Essas ideias absurdas atacam diretamente a todos nós.
Essas ideias absurdas são o problema.

E como bom resolvedor de problemas, cá estou eu não só apontando o problema, como também dizendo o que fazer.

Porque nós já cuidamos da religião. Uma vez, na história, nós já fomos ao cerne do problema e já tiramos ele do centro das nossas vidas.
Se faz necessária uma "Revolução Francesa" no âmago do mundo muçulmano.
Se faz necessária uma intervenção intelectual, tal qual aconteceu na França.


A Revolução Francesa ocorreu porque a burguesia tinha dinheiro, mas não tinha status.

Quando as cidades europeias passaram a ter mais gente do que os campos, os trabalhos passaram a ser feitos nos BURGOS. Os BURGOS eram os amontoados de casas dos cidadãos ao redor de propriedades de nobres. Os nobres sobreviviam de taxar as pessoas que viviam nos BURGOS.
Os BURGUESES compravam produtos dos fazendeiros, trocavam esses produtos com BURGUESES de outros BURGOS e, assim, conseguiam muito dinheiro. Mais dinheiro do que os nobres conseguiam taxar.
Os BURGUESES foram os primeiros a deter DINHEIRO dentre as pessoas comuns.
Mas mesmo tendo DINHEIRO, os burgueses não tinham TÍTULOS DE NOBREZA. Assim, os burgueses não participavam dos conselhos que decidiam os principais temas do país. Eles simplesmente trabalhavam e estocavam dinheiro.

O que fez a burguesia?
Patrocinou ARTISTAS E INTELECTUAIS.
Estes passaram a publicar mais e mais materiais que faziam todo o povo pensar... CONTRA OS NOBRES.

IMPORTANTE frisar que, entre os nobres estava O CLERO. E a igreja foi severamente criticada. O poder e influência da igreja foram muito atacados.

E o povo foi insuflado a depôr o rei, seus nobres... e a igreja do poder!

Assim surgiu a ideia de democracia. Aonde periodicamente o povo escolhe um representante para organizar o para assumir o poder no país.

Eu acredito que a guerra contra o mundo muçulmano deva ocorrer nesse sentido.

Eles têm dinheiro porque o PETRÓLEO os financia. 
E quem compra esse petróleo? 
O mundo ocidental.

Logo, uma corrida por fontes de energia alternativas seria um golpe e tanto no mundo muçulmano.

Em segundo lugar, a internet é um difusor de ideias quase instantâneo. E os muçulmanos utilizam a internet para difundir suas ideias loucas para o mundo ocidental, captando seguidores aqui. Precisamos URGENTEMENTE fazer um contra-ataque intelectual. Trazer o máximo de muçulmanos para o lado da liberdade, fraternidade e igualdade. Precisamos "invadir" o Oriente Médio no plano DAS IDEIAS.
Insuflar revoltas contra o islã... e APOIÁ-LAS COM RECURSOS. Inclusive bélicos, se necessário for.


Iniciativas como a do Zuckerberg, de criar internet via satélite de graça para todos... Apesar de aparentemente utópica, seria excelente para prover um canal de ideias em locais aonde o governo tenta barrar o acesso da população. (E por mais louco que pareça, lembre que comunicadores na palma da mão eram ficção científica de Jornada nas Estrelas, 40 anos atrás...)


É público e notório que culturas evoluem.
Culturas são quase como seres vivos. Nascem, crescem, se desenvolvem, aprendem com suas semelhantes, envelhecem... e morrem.
Como eu já disse, eu acredito que existam culturas mais e menos avançadas. Hoje mesmo, existem tribos indígenas que vivem culturas da idade da pedra. Pessoas que morrem por causa de doenças que os gregos antigos já sabiam como evitar ou curar, mais de dois mil anos atrás.
E do mesmo modo, os muçulmanos vivem em uma cultura de cerca de mil anos atrás. Estão parados no tempo, achando que um ser superior lhes falou a verdade e seguem seu livrinho cegamente.

Nós, que já transcendemos essa fase escura na nossa cultura, precisamos libertar essas pessoas do mundo muçulmano. É nosso dever mostrar a eles o caminho para longe dessa idade de trevas.
Não só pelo bem que eles receberão ao serem libertos... Mas pelo bem dos cidadãos da nossa sociedade.