quinta-feira, 15 de maio de 2014

A Era da Informação

Durante o início da revolução industrial houve um grupo de trabalhadores que temeram que o avento das máquinas roubassem-lhes seus trabalhos. Estes eram os Luditas. Não os conhece? Vale a pena ler sobre eles...
Àquela época, a lógica parecia infalível: cada nova máquina desenvolvida fazia o trabalho de dezenas homens. Com o mínimo de esforço chegava-se a conclusão de que os postos de trabalho tornariam-se mais escassos, até o total preenchimento pelas máquinas.
Os Luditas organizaram-se, então, para atacar empresas e destruir máquinas!

. . .

Amigo, já disse isso algumas vezes por aqui. A única coisa que cada um de nós têm na vida é o TEMPO. Todo o resto é transitório. Da mais fugaz beleza, o dinheiro, a saúde... Até mesmo o azar é passageiro. Nada é realmente nosso, tudo é emprestado. Até os átomos do seu corpo, que são substituídos integralmente de tempos em tempos.
Tudo, menos o tempo. Seu tempo é o seu tempo e ele é SEU. Você faz o que quiser com o seu tempo. Você pode se esforçar para criar coisas belas, pode dedicar seu tempo para auxiliar outras pessoas... O Tempo é algo tão SEU, que tu podes até mesmo MATAR o seu tempo!

O problema do tempo é que, depois que você GASTA o tempo, ele não volta mais. Nunca mais. O tempo se transforma em memórias. Memórias que podem se transformar em belas histórias... ou mero esquecimento.

Portanto, amigo, acho que você concorda comigo que QUALQUER esforço que façamos para GANHAR TEMPO é válido.
Isso porque um tempo gasto com um livro, com um filme, com uma atividade de lazer... é um tempo bem gasto. Dá prazer, agrega conteúdo, faz o mundo crescer um pouquinho mais.
Mas tempo gasto com deslocamento, tempo perdido por falta de informação...

Talvez nós nem notemos mais, mas há diversas atividades que fazemos no dia-a-dia que nos conferem muito tempo. Nos deixam mais avisados.
Nós desenvolvemos os melhores veículos para transporte da história. Eles não são ideais, ainda. Poluem muito, são pouco eficientes... Mas até o ônibus mais tosco, da linha com menos horários, funciona melhor e chega mais rápido do que andar a distância a pé. Veículos poupam nosso corpo do exercício pesado e o nosso TEMPO. Podemos dormir melhor, podemos ficar mais tempo com quem amamos, podemos fazer nossas atividades prediletas por mais tempo...

Mas o que mais nos dá TEMPO, hoje em dia, são as COMUNICAÇÕES. Mais especificadamente, a Internet.

A internet é um conjunto de máquinas, que compõem uma única ferramenta. Com o avanço de dispositivos que acessam à rede e com a disseminação da própria rede, hoje em dia cada um de nós é um divulgador de conteúdo. Você, o japa do outro lado do mundo, o árabe no meio do deserto e eu somos como emissoras de TV. E podemos publicar nossas impressões do mundo a qualquer hora. A qualquer momento.

Assim como eu estou usando esse blog para entreter os amigos que me visitam com imagens, vídeos e, agora novamente, com as minhas ideias em texto.

Mas eu ando vendo muitas pessoas criticando as pessoas que tomaram a decisão de contribuir para esse mundo virtual. Gente que usa como argumento que "o mundo acontece lá fora" e que "a internet não substitui a vida real".
Amigo, vamos deixar uma coisa clara: A internet não está  substituindo nada. Ela está aumentando a experiência das pessoas com o mundo real.

Pense por um minuto: Antes do advento da internet, quantas pessoas alguém poderia conhecer na vida? Dessas, com quantas pessoas tu REALMENTE iria ter alguma afinidade?
A internet é um meio de disseminação de pessoas, fatos e ideias. E, assim, você consegue encontrar e interagir com pessoas mais próximas a você, do que qualquer outra pessoa já o fez, antes da invenção da internet.

A humanidade sempre quis saber mais. Hoje, nosso conhecimento é instantâneo. Conhecimento de qualquer coisa, a qualquer momento. Na ponta de um dedo que toca a tela sensível de um celular. Uma facilidade que adianta a vida real, desde que o conteúdo ESTEJA DISPONÍVEL.

Alguém precisa gastar seu tempo para gerar o conteúdo que adiantará a vida dos demais.

Mas, tal qual luditas quebradores de máquinas por medo de perderem seus trabalhos, eu vejo muita gente por aí querendo desmerecer a informática, o trabalho em redes sociais, o trabalho de blogueiros e toda a estrutura que mantém tantos de nós conhecendo e interagindo com milhares de pessoas do mundo inteiro... Gente que faz de tudo para "quebrar" a internet. Que fica fazendo propaganda da "vida real", como se conversar em uma roda de amigos não gastasse tempo e alienasse tanto quanto participar de uma discussão no twitter, no facebook ou nos comentários de algum blog qualquer...

Amigo, a "vida real" é legal. Mas não a superestime. Nem todas as rodinhas de amigos são divertidas. Nem toda interação social é prazerosa. Definitivamente, nem toda festa é uma maravilha. Eu mesmo cansei de sair na era "pré-internet" e, quando voltava pra casa, só conseguia pensar que "teria sido melhor que eu tivesse ficado em casa"...

Eu prefiro muito mais falar pela internet com 20 pessoas que eu nunca vi, mas contribuem para uma excelente discussão, do que participar de uma conversa "ao vivo" com meia dúzia de pessoas com quem eu só vou conseguir exercitar a minha paciência...