segunda-feira, 12 de novembro de 2012

Cansaço Emocional

Acabei de descobrir que existe um tipo de cansaço diferente. Esquisito. Um que, se algum maluco escrever sobre, em um blog desses da vida, eu torceria o nariz e acharia que é mentira.

OH WAIT!!!

Hehe!


Calma aí, amigo. Não é para tanto, né? Senta aí, relaxe, que a ideia é boa. Garanto.


Quem me conhece sabe que eu sou um cara que passei muito tempo de minha vida com o coração cheio. Namorei poucas meninas, por muito tempo. Hoje, na beirada dos trinta anos, arrisco dizer que passei mais tempo da minha vida com alguém do que sozinho. Se não é absoluto, pelo menos a maior parte do meu tempo "autônomo" (sem precisar da ajuda de outra pessoa para necessidades fisiológicas, me vestir, etc, etc, etc...).

Isso significou um esforço da minha parte. Por muito tempo, convivi com as dificuldades dos relacionamentos. Tá, a grande maioria de vocês também viveu com isso. Aliás, esse motivo tolo não é justificativa para um texto. Todos temos problemas nos nossos relacionamentos.

Só que eu tenho dois aspectos que, talvez, façam deste texto único:


1 - Eu achava que bastava gostar para que o relacionamento desse certo.

Sim, eu achava que, havendo sentimento, todo o resto "se ajeitava". Então, entrava em relacionamentos que já começavam meio tortos, cheios de pontos identificados que deveriam ser consertados. Coisas que deveríamos mudar, suportar, aceitar, relevar...

Quando existe sentimento isso é bonito. Mas, com o passar do tempo, acabamos notando que anulamos a pessoa que realmente somos. Passamos a viver uma vida que não é a nossa mas, sim, a que o relacionamento dita. Não que os relacionamentos não peçam que você se adapte um pouco. Mas existe um limite para tudo.

E estes percalços do dia-a-dia acabam machucando a gente. Achamos injusto nós mudarmos em algo, e notarmos que o parceiro não mudou, também. E o ponto de colapso total é quando notamos que as cicatrizes causadas por essas mudanças todas são maiores do que o sentimento que nutrimos.


2 - Após quase 16 anos namorando, eu estou cansado, emocionalmente falando.

Cansado, sabe? Não o cansado de "chega, não quero mais". Eu estou cansado no sentido de exausto. Meu coração quase desmaia, exaurido, quando nota que tem trabalho para fazer pela frente. Uma espécie de melancolia esquisita. Que me faz ir para cama, em vez de ir para algum bar. Que me faz ficar em casa, quando eu deveria ter ido à feira do livro. Que faz eu me fechar preguiçosamente dentro do meu próprio mundo, em vez de explorar as possibilidades que se apresentam.

Esse cansaço está me fazendo mudar conceitos.

Na verdade, estou tão cansado de ter que mudar e ficar discutindo sobre ajustes em relacionamentos, que eu sequer consigo imaginar começar uma conversa dessas. Estou aceitando a outra pessoa como ela é. E, se não for suficiente para mim, nem que exista sentimento envolvido eu quero tentar. Não. Chega.

Preciso de uma menina que já entre na minha vida o máximo "pronta" o possível. Com milhares de carinhos, conversas gostosas, interesses em comum e muitos "sim's" guardados para mim. 

Mas, mesmo que essa menina apareça hoje, eu estou cansado. Coração muito lanhado, precisando de um tempo para poder voltar à boa forma.