sexta-feira, 31 de maio de 2013

#PSDBNuncaMais ou "Quem pode mais, chora menos..."

Faz algum tempo que eu não sou uma boa pessoa para conversar. Vocês me aparecem com "tenham vontade para realizar seus sonhos" e outras frases de filosofia barata, e eu já respondo colocando o dedo na ferida e indicando o que deve ser feito para solucionar cada porcaria de problema que existe nesse mundo.

Acontece que, por gostar demais do atomismo, eu reduzo cada problema à sua origem. Assim, com um só esforço focado, conseguimos resolver um conjunto muito grande de problemas.

Moramos no Brasil. Terra "abençoada por Deus"(sic) e maltratada por este povo ordinário que a habita.

Nosso país é um dos mais belos do mundo. Coloque, aqui, um povo como o da Suíça, do Canadá, da Austrália ou similares, e não existirá conglomerado de superpotências que conseguiriam chegar aos nossos pés. Temos tudo: recursos naturais, áreas férteis imensas, capacidade de turismo, área continental, um dos maiores litorais do mundo, que corta muitas latitudes... O lugar onde o Brasil se encontra era muito rico, ainda é perfeito e será ideal por muitos séculos, ainda. Sem terremotos, tsunamis, furacões e outras intempéries extremas da natureza. Tá, existem alagamentos, cheias, deslisamentos e alguma seca. 
Mas um problema de nosso território anula o outro, caso a boa vontade e o planejamento sejam empregados. Faz mais de mil anos que os Romanos já nos mostraram como criar aquedutos. Pelo menos dois séculos que os geólogos já sabem identificar áreas de risco de deslisamentos e vazantes de rios. Com o trabalho correto, podemos transferir o excesso de chuvas do norte, sul e sudeste para a caatinga nordestina. Realizado o projeto "o sertão vira mar", literalmente.

O problema do Brasil, como já diz a piada, é o brasileiro.

Você. Seus amigos. Seus conhecidos. Seus inimigos. Seus vizinhos. Seus professores, seus familiares, seus irmãos, seu pai e sua mãe.
Sim, todos vocês. E eu também.

Cada um - dos quase duzentos milhões de desgraçados que moram nas terra brasileiras - é o problema do Brasil.

E o que você e eu fazemos de tão errado, assim?

Primeiro: Nós somos preguiçosos.
Sim. Não vem dizer que não. Não precisa mentir, não tem ninguém vendo o seu pensamento, agora. Somos, todos, uma cambada de encostados. Cada um de nós tem o sonho de ganhar na mega-sena e nunca mais precisar trabalhar em nada. Não importa onde você nasceu, sua religião, cor, sexo, orientação sexual, idade, ou o escambau: você tem um plano para "se ganhar na mega-sena". Mesmo que você nunca jogue, já sabes o que fazer com o dinheiro "se ganhar na mega-sena".

Segundo: Não estudamos.
Nós, brasileiros, somos tão preguiçosos, que, desde cedo, não gostamos de passar trabalho em nada. A escola é o primeiro lugar em que nossa preguiça fica evidente. Gentinha de merda essa que não se esforça para entender conceitos básicos. Preferimos colar do que estudar! E só colamos o suficiente para tirar média sete e passar de ano! Nem para colar direito, para tirar dez!
Lembro do pensamento do Bart, sobre estudar: "É como colar, mas as respostas estão na minha cabeça!"
Estudar faria com que soubéssemos mais sobre os fatos da vida. E nos pouparia de absurdos que falamos e fazemos todos os dias.
Como por exemplo, pessoas que querem "salvar a natureza" a todo custo, mas comem transgênicos, arroz ou iogurte grego... Mal sabem elas que, ao comprar essas produtos, estão incentivando práticas que deterioram muito mais o meio-ambiente do que se elas não "separarem o lixinho"...

Terceiro: Todos queremos ser "Expertos".
Bixos tristes - você e eu - queremos "nos dar bem" em tudo! Consequência direta da preguiça e da falta de estudos, inerentes ao ser brasileiro, nós sempre preferimos o caminho do "jeitinho brasileiro" do que o caminho correto. E isso está tão impregnado no nosso DNA e é tão urgente para nosso instinto que, muitas vezes, o "caminho certo" é mais curto e fácil que o "jeitinho brasileiro" e, mesmo assim, escolhemos a malandragem do que o trabalho correto.
Puta gentinha de merda.
Essa "experteza" toda gera a incompetência brasileira. Incompetência histórica, que tange praticamente tudo o que o brasileiro já se meteu a fazer.
Pense por um segundo: temos uma das maiores frotas de carros do mundo! Todo o transporte brasileiro é planejado (sic) para o modelo rodoviário. E o mais próximo que chegamos de criar uma fábrica de carros nacional foi o... GURGEL!
"Porra, almires!", tem russo que faz carro na garagem, artesanalmente, melhor que o Gurgel...

Só não fazemos coisas melhores porque existem pessoas que "ganham com isso". Consequência direta da incompetência gerada pela "experteza brasileira", nós sacrificamos (constantemente) o bem maior nacional caso nosso bolso não esvazie. Caso o bolso fique um pouco mais cheio, então, nós fodemos o bem maior sem pensar uma vez sequer!

Quarto: Nós só militamos em causa própria.
Pára de se fazer de desentendido. Você mesmo. Você não mexe um fio de cabelo se "o problema não é comigo". Muitas vezes vemos os abusos acontecendo mas, como "não é comigo", damos de ombros.

Quem é "experto" e só quer "se dar bem" em tudo não tem tempo (ou inteligência) para notar as consequências na sua vida, geradas pelos problemas que afligem is demais.

Dois exemplos que se retro-alimentam (e que geram um terceiro problema):

A classe média não quer pagar tantos impostos. Principalmente se for para programas de eliminação da extrema-pobreza. Mas não notam que, se houver menos pessoas na extrema-pobreza, haverá menos violência e, portanto, mais segurança. Faz sentido compartilhar um pouco, para manter o pacto social.
A classe baixa, por sua vez, quer "subir na vida" sem esforço (somos preguiçosos, lembra?). E, quando ganham benefícios, acham que é direito-adquirido (lembram das consequências dos rumores do fim do bolsa-família, no nordeste?). E continuam com a sua cultura antiga. Inclusive os que estavam fora da lei. O que toca novamente na classe média e faz com que reclamem, novamente.
E isso gera um "problema-escondido-bônus": os mais pobres (maioria) são colocados no "curral eleitoral do bolsa-família". Nunca deixam de votar no partido que está dando dinheiro diretamente para eles (PT)! Lembra que somos "expertos"? 

Insisto, não é só o político que "mete a mão". O miserável vai se aproveitar do que puder. O pobre vai espernear pelo que consegue tirar do governo. A classe média irá sonegar impostos e tentar ganhar bolsas, também (minha avó pensa assim!). Os ricos, naturalmente, "meterão a mão" e se lavarão nos montantes astronômicos que movimentam...

Esses são os nossos problemas. E, como somos incapacidade de entendermos o que é a heurística de disponibilidade, acabamos nos tornando reféns da mídia.

"Arthur, o que diabos é heurística de disponibilidade"?

Ah! Que eu descobri o seu pensamento!!!

"Heurística" é a palavra que significa "um método que simplifica um pensamento abstrato e de difícil entendimento".
"Heurística de Disponibilidade" é o processo de julgar a frequência de dados segundo a facilidade com que similaridades vêm à mente, dada à limitada capacidade de manter concentração/atenção e empreender considerável esforço mental ao mesmo tempo.

Basicamente, é a forma como criamos estatísticas na nossa mente, a partir de eventos. Como nenhum ser humano é uma calculadora estatística perfeita, nosso cérebro tem um processo para quantificar e calcular as ocorrências e, assim, criar o foco do nosso pensamento.
Exemplo? Incêndio em Santa Maria.
UM incêndio, em UMA cidade. No MUNDO INTEIRO, fazia mais de DEZ ANOS que uma casa noturna não pegava fogo. Mas, por causa da superexposição deste evento na mídia, TODOS os lugares fechados passaram por inspeções.
Estatisticamente, a reação foi exagerada. Investimos os limitados recursos em algo que, se deixasse como está, provavelmente não se repetiria tão cedo.

Mas, né? A heurística de disponibilidade salta aos olhos. O fator humano é agredido e o público é guiado a tomar decisões emocionais.

Só que isso é só um exemplo. Não notamos, mas a heurística da disponibilidade força a sexualidade precoce, a violência, a malandragem, a vulgarização, etc... através de novelas, noticiários, filmes, etc...
E, quando a cultura é influenciada (todos estão fazendo, faço também), a cultura retro-alimenta a mídia, aumentando a disponibilidade de eventos que reforçam os comportamentos de preguiça, falta de estudo, "experteza" e militância em causa própria...

Quer um exemplo? Esse:

http://noticias.r7.com/brasil/opositores-do-psdb-usam-o-twitter-para-pedir-que-o-partido-nao-volte-ao-poder-nunca-mais-31052013

Vamos ver se eu entendi:
1 - NENHUM político é santo.
Mas... Mesmo assim, o PSDB passou a incomodar o PT. O que fez o PT? "Expertamente" acionou seus militantes (quase todos devem estar em cargos públicos comissionados, claro) que, para não perderem a sua "mamata", passaram a promover uma campanha contra o PSDB...

Então, a massa de twitts foi tão grande, que levantaram uma hashtag. E isso "virou notícia".
E o pior: agora, com a disponibilidade, as pessoas passarão a repetir isso. E muitas brasileiros - preguiçosos, reféns da heurística de disponibilidade - substituirão sua própria análise, argumentação e conclusões, pelas frases-feitas disponíveis na mídia.
Tudo uma jogada bem arquitetada para manterem-se na "mamata" do poder... Jogada suja. Em vez de se preocuparem com as responsabilidades de seus cargos adquiridos, já estão em campanha para as próximas eleições!

Um amigo meu sempre disse: "Brasil não tem políticos, tem candidatos em exercício ou campanha..."

Levando em consideração que os políticos saem do povo, esse é o problema do nosso país. O povo e sua incapacidade de fazer as coisas do modo correto. De trabalharmos direito, colocarmos o bem maior acima dos interesses pessoais (mas sem ser comunista, ok?), de respeitarmos as leis, nos portarmos corretamente em todas as circunstâncias...