quarta-feira, 19 de junho de 2013

A Violência nas Manifestações

Vou começar deixando claro a minha opinião:
Definitivamente, existem formas mais inteligentes de se fazer ouvir do que através de violência, depredação e vandalismo.
Eu cheguei a essa conclusão porque parti do princípio de que não é com violência que se resolve a violência. A solução "olho por olho" só faz com que todos acabem cegos.

Mas...

Ó o infeliz do "mas", ali...

Lembra da minha necessidade de não ser hipócrita? Do meu compromisso em não mentir nunca mais, para ninguém? Principalmente para mim mesmo? Então...

O ser humano é passional. E o ser humano não educado (como o "brasileiro-comum") se entrega mais facilmente à esta passionalidade. Não adianta querer se alienar deste fato e esperar que todos vivamos uma utopia.
Essa incapacidade de separar o que se sente do que se pensa é o que me faz achar que o Brasil ainda não pode liberar o porte de armas de fogo por civis, o aborto e a pena de morte, por exemplo. Nós já nos matamos por nada. Nossa razão já foi contaminada pelo vírus do "jeitinho brasileiro". E as ações para remover esse vírus demorarão muito para surtirem efeito.
No mundo utópico de vocês (que existe lá na Suíça, por exemplo), as pessoas conseguem se controlar mais e tomar decisões baseados na razão, ao invés de "se entregarem ao calor da hora". Lá as pessoas miram antes de atirar. Lá o casal planeja antes de ter o filho. E, por toda essa consciência empregada antes do ato, eles têm mais responsabilidade sobre as consequências. Neste mundo utópico, as pessoas que fazem coisas erradas o fizeram com a clara e manifesta intenção de fazê-lo. Por isso até a pena de morte é justificada: alguém que, cônscio de todos ao seu redor, executa atos para prejudicar os outros é alguém tão ruim, que realmente merece a morte.

Então, partimos do princípio de que o "brasileiro-comum" é quase um bicho.

O Estado não é estruturado o suficiente para garantir que as pessoas tenham um ambiente de ética, moral e de bons costumes. Na rua, você tem medo de todas as pessoas com quem cruza. Você olha para mim e, até que eu passe por você e não te faça nada, você tem certeza de que eu vou te atacar. Mulheres andam agarradas em suas bolsas. Homens constantemente checam se suas carteiras continuam no bolso. Muitos simplesmente desistem de comprar roupas e acessórios melhores, pela certeza de que serão furtados, roubados ou até mortos.
Nós não conseguimos montar grupos com total confiança entre nós. Famílias não têm coesão e os casais se separam com uma rapidez assombrosa. Comunidades são agrupamentos de estranhos que vivem uns dos lados dos outros. Não participamos das políticas da nossa cidade. Nosso trânsito é uma troca constante de não-gentilezas. Não nos confraternizamos com as outras cidades. Os estados brigam entre si por impostos e royalties.

E não pense que a situação chegou a este ponto por acaso, não. Esse é um panorama criado cirurgicamente pelos políticos brasileiros, através dos tempos.

Faz séculos que não investimos em educação, segurança, saúde, lazer, etc... Nossos avós já foram ensinados de modo errado. Eles não evoluíram e ensinaram menos ainda aos nossos pais. Nossos pais estavam ocupados demais trabalhando para sobreviverem, e não nos ensinaram porcaria nenhuma. Devemos agradecer o pouco que sabemos à facilidade de obtenção de conteúdo através da internet.

Então, esse povo-bicho - criado pela falta de educação - acaba se atacando. Pessoas do povo, uns contra os outros. Todos nós acuamos os demais e nos sentimos acuados pela violência que os demais nos fazem. Seja quando tratamos mal um atendente, quando destratamos um telefonista, quando jogamos lixo na rua ou simplesmente ignoramos os direitos dos demais.
Enquanto isso, a educação continua não formando bons cidadãos, a saúde continua matando as pessoas que amamos, o trânsito continua toma nosso tempo precioso, a segurança continua deixando com que nos roubem e matem, a previdência obriga os nossos aposentados e pensionistas a continuarem a trabalhar e nossos empregos continuam nos exigindo labor excessivo e nos recompensam com migalhas.
E, no meio disso tudo, o Estado ainda assalta os nossos parcos recursos através de uma das maiores e mais desorganizadas cargas tributárias do mundo! Dinheiro, este, que deveria melhorar a educação, a saúde, a segurança, a infra-estrutura, previdência e a economia... mas é roubado descaradamente dos cofres públicos por pelos mesmos políticos corruptos que deveriam estar cuidando da gente.

Isso não é violência o suficiente? Séculos de depredação da nossa sociedade. Uma história completa de vandalismo com o seu e o meu bolso... com as nossas vidas!

Na década de 90, uma ambulância demorou 40 minutos para sair do hospital, desde a primeira vez que ligamos por socorro. Tivemos que contar com a solidariedade de uma carona de um vizinho, para levarmos minha avó até a emergência daquele hospital. Quando estávamos chegando no hospital, a ambulância estava recém saindo. Minha avó morreu naquela manhã.

Eu não vou fazer a dor que senti ser maior do que a de qualquer outro. Mesmo porque o caso da minha avó não foi isolado. Não foi único. Dezenas devem ter morrido aqui no Brasil pela mesma negligência, desde que você começou a ler este texto.

E, se ISSO não é vandalismo, depredação e violência, eu não sei o que mais pode ser.

Por estes motivos, eu não recrimino os manifestantes que destroem lixeiras. Que queimam pneus, picham muros e paredes, quebram vidros, arrancam grades, invadem o teto do congresso ou enfrentam policiais. Aliás, se pensarmos bem até mesmo os carros e ônibus queimados - embora criem imagens fortes - são insignificantes.

A mídia vem tentando suavizar as manifestações. Querem incutir na nossa cabeça que é válido se revoltar, mas que a situação não é tão ruim assim. Pelo menos não ao ponto de utilizarmos a violência.

Mas, amigo, coloque na ponta do lápis a violência que já recebemos, vinda dos políticos corruptos.
Quantas vidas não foram aproveitadas plenamente por causa dessa educação miserável que nós temos? Já imaginou quantas descobertas científicas não foram feitas porque nossos "Albert Einsteins"'s tiveram uma educação apenas para se tornarem analfabetos-funcionais? Já parou para pensar que, se você tivesse tido acesso real a bons colégios e boas faculdades, VOCÊ poderia ser um empresário bem sucedido, dono de uma das maiores empresas multinacionais?
Isso não é uma forma de depredação que os políticos fazem com o povo?

Ok, então vamos sair do campo das especulações.
Quantas pessoas você conhece que morreram por negligência ou falta de recursos médicos? Em portas ou filas do SUS? Pessoas que tiveram ANOS DE VIDA ROUBADOS porque algum político filho da puta roubou dinheiro público.
Isso não é agressão? Isso não é planejar a morte de outras pessoas?

Ok, você não conhece ninguém que tenha morrido por causa do SUS. Que bom. Vamos falar de algo que você nota, então.
Quanto você pagou de imposto de renda, neste ano? Se não pagou, me diz o que tu acha de ter que pagar mais de 40% de impostos em tudo o que tu compra. Se o teu salário é de R$1.000,00, qual é a sensação de saber que o governo fica com pelo menos R$400,00 teus, todo mês? Isso sem falar nos descontos de INSS, imposto na fonte, etc...
Sim, amigo. Quase metade do teu salário fica com o governo, direta ou indiretamente. E, se você tem carteira assinada, o teu patrão ainda tem que pagar mais uma grana de FGTS!
O que tu faria, hoje, com 40% a mais de salário, na mão? E, contando com todos os descontos, o que tu faria com 60% a mais de receita?

Então, o governo te toma esse dinheiro para cuidar das coisas que tu não pode cuidar, porque está trabalhando durante o dia. Você não pode limpar as ruas, então paga impostos para a prefeitura empregar garis. Você não pode cuidar da segurança de todo mundo, então tu paga impostos para o estado contratar policiais para manter a ordem. Você não pode educar todas as crianças, então paga impostos para o estado contratar professores para lecionar. Simples, né?

Só que o estado não repassa todo o teu dinheiro para as funções necessárias! Ao invés disso, as pessoas que VOCÊ incumbiu dessas responsabilidades ROUBAM O TEU DINHEIRO!

Sobram teus 60% para que tu pague pelos mesmos serviços, na iniciativa privada. UNIMED, colégio particular, faculdade privada, segurança privada, grades, cercas elétricas, circuito interno de TV... Tomara que os teus 60% consigam cobrir isso tudo!

E, para colocar a cereja no bolo, o governo não acha suficiente roubar tudo o que pagamos. Ainda imprime mais dinheiro do que tem para gastar com inutilidades para a nossa vida! Esse dinheiro a mais gera inflação... Que, novamente, reduz nosso poder de compra! Ou seja, além de nos roubarem em tributos, ainda nos roubam com a inflação!

Amigo, os vândalos que aparecem depredando as cidades na TV não sabem de tudo isso. Eles são "povo-bicho", lembra? Eles apanharam e nem sabem explicar de onde vieram os golpes que tomaram. Mas, no final de contas, eles só estão agindo conforme este sistema inteiro os moldou e reagindo ao que sentem que está errado.

Como eu falei lá no início do texto: não é a forma mais inteligente de se manifestar.
Mesmo porque eles estão destruindo patrimônio público. Patrimônio público que, no panorama da sociedade brasileira, podemos chamar de "o pouco que os políticos fizeram para o povo, enquanto roubavam os cofres públicos".

Mas eu não tiro a razão destas pessoas. Se existem marginais é porque o sistema deixou que eles se criassem. E se, agora, até as pessoas que têm discernimento já perderam a paciência e estão exaltadas, o que podemos esperar desses brasileiros "povo-bicho"? Que eles se comportem? Que eles entendam o que está acontecendo? Que passem - milagrosamente - a respeitar o Estado que nada fez por eles?

E não se engane em achar que o "povo-bicho" nasce só nas classes C, D ou E. Nós sabemos que tem muito filhinho de papai - de classe alta e média - que são verdadeiros animais calçando sapatos. Quantas vezes não vimos (e continuamos vendo) crianças barulhentas, desobedientes, mimadas, super-protegidas, arrogantes, pedantes e - simplesmente - de má índole, em famílias com dinheiro? Crianças que desobedecem abertamente, agridem e até mandam nos pais. Qual tipo de adulto tu pode esperar que se forme a partir destas crianças? O que se manifesta pacificamente e com razão ou o marginal baderneiro?

Em resumo, até as pessoas que identificamos como sendo causadores de problemas para a nossa sociedade estão nas ruas, exigindo uma mudança de rumo para as políticas nacionais. Do modo torto deles, mas eles estão lá.

E vou além disso. Se os políticos não ouvirem logo as reivindicações dos manifestantes, cada vez mais pessoas acabarão perdendo a sensatez. Se os políticos demorarem para parar de roubar e passarem a fazer as coisas corretamente, mais e mais manifestantes passarão a pichar, quebrar, queimar e invadir. E, quem sabe, até a matar.