segunda-feira, 24 de setembro de 2012

Ciclovias

Estive lendo, escutando e assistindo muitas coisas sobre ciclovias.

Aliás, por muito tempo, eu sequer tinha uma opinião formada a respeito da utilização de bicicletas em meio urbano. Mas, depois dessa super-exposição de ideias, principalmente de políticos, nos últimos tempos, eu acabei pensando sobre o assunto.

Vamos lá, então.

Primeiramente, quero falar sobre os motivos para utilizarmos bicicletas e que nos levam a formarmos ciclovias.

Muitos pedem ciclovias para evitar a poluição urbana. Alegam que os veículos soltam muita fumaça e que as bicicletas resolveriam o problema da poluição.

Outros, dizem que as bicicletas seriam a solução para os engarrafamentos e toda a falta de mobilidade urbana que as grandes cidades sofrem.

Ainda tem os que acreditam que a maior utilização das bicicletas poderia - inclusive - acabar com os males que a ociosidade acarreta para a saúde. Argumentam que isso reduziria gastos com saúde, ao evitar acidentes automobilísticos, obesidade e doenças crônicas como o diabetes.

Muito bonito. Realmente, alguns desses argumentos são reais. Mas você notou que só são listados os benefícios da bicicleta? Nenhum ponto negativo é ressaltado?

É, bancarei o advogado do diabo, aqui, porque acredito que a "solução bicicleta" é só mais um paliativo.

Vamos às considerações.

Primeiramente, essa história toda de bicicleta parece-me um lobby. Estão buscando todos os motivos (muitos sem conexão entre si) para justificar a maior utilização das bicicletas. Está parecendo que alguém quer que as bicicletas sejam mais consumidas e, então, pediu à alguma equipe que realizasse um brainStorm. Todas as ideias boas sobre "porque utilizar bicicletas" foram reunidas e estão sendo publicadas. Tipo, não estão tentando dar uma solução definitiva para um problema mas, sim, listar os problemas que seriam resolvidos com a solução que eles querem implantar.

E você me conhece. Sabes que eu não aceito paliativos.

Essa é a diferença exata entre administrador e gestor, sabe? Administradores RESOLVEM os problemas, para voltarem para seu ponto de conforto, garantindo que o problema nunca mais se repita. Gestores "gesticulam" o dia todo, apontando o que cada um deve fazer, para que a máquina ande. Gestores são necessários, mas não devem administrar JAMAIS!

Querem utilizar as bicicletas, maravilha! Mas saibam que elas NÃO SÃO a solução definitiva para NENHUM dos problemas que foram listados.


1 - Poluição Urbana. realmente, com mais bicicletas, menos carros estariam nas ruas. Mas... Convenhamos... Os carros preservam mais a todos nós. Não andamos com o sol diretamente na nossa cabeça. Nossas roupas desbotam menos e nossos sapatos duram mais. Andar de bicicleta é um exercício que nos faz suar, andando em terreno plano. Imagine nas nossas cidades cheias de relevo! Ninguém quer chegar em uma reunião de terno e gravata, todo suado e fedido, não é? Empresas, escolas e instituições passariam a ter que oferecer vestiários para os funcionários ou alunos. O que demandaria mais água, energia elétrica, gás, sabonetes, shampoos, toalhas, tratamento de esgoto e afins. Isso, é claro, sem falar que a bicicleta é uma moto sem motor. Muitas das peças utilizadas pelas bicicletas são produzidas tal qual peças de motos, poluindo na mesma taxa, e com um aproveitamento bem menor! Imagine-se levando seus filhos para escola, em bicicletas! Malas, maletas, sacolas, mochilas, volumes, pacotes e afins?

Ganhamos com a redução na emissão de gases pelos escapamentos, mas perdemos na produção de mais energia elétrica, mais produtos (como roupas e sapatos), remédios, cosméticos, tratamentos de esgoto e na ineficiência do transporte por bicicleta...


2 - Engarrafamentos. Sim, você que atravessa a cidade de carro, tranquilo, em minutos, passaria a ter que pedalar esse trajeto inteiro. E há uma diferença ENORME entre estar dentro do seu carro, tendo períodos em que pode "descansar" da direção e estar todo o tempo concentrado no guidão da bicicleta.

Que o  brasileiro não sabe dirigir automóveis, você já sabe. Aliás, nem sabemos andar a pé nas ruas. Definitivamente, também não sabemos aplicar as leis de trânsito às bicicletas, também. Tirar carros da rua para colocar bicicletas só irá alterar o veículo que causará acidentes, engarrafamentos e estresse. Com a desvantagem da total falta de segurança que a bicicleta apresenta: se você bate, sua testa é o para-choque. E você já viu um acidente de bicicleta em uma competição? Quando o primeiro cai e TODOS que vêm logo atrás simplesmente não têm como desviar e caem, também? Imagine isso com executivos engravatados, indo para o trabalho! É, né?
Saem as filas intermináveis de carro e entra a bagunça generalizada de milhões de bicicletas, como acontece na Ásia. É somente trocar o veículo que irá gerar o congestionamento.

3 - Doenças. É, talvez a população fique mais magra, se exercite mais e passe a ter uma vida mais saudável, mesmo. Só que é importante lembrar que, para manter a boa forma, é necessário ficar atento para dois fatores: o quê/quanto se come e como se gasta essa energia. Não adianta nada pedalar 2.000Km por dia, ter um gasto de, sei lá, 10.000 calorias e, depois, chegar em casa e devorar 20.000 calorias. E, acredite em mim, isso é o que mais acontecerá. Pedalar vai abrir o apetite do povo, que irá comer mais bobagem "para suportar o tranco". Lógico que com alguns funcionará o exercício. Creio que os mesmos motoristas que são magros, hoje, continuarão magros usando bicicleta. Assim como os motoristas gordos continuarão obesos, usando a bicicleta.
Isso sem citar que em vez da diabetes, passaremos a ter mais lesões - decorrentes do exercício - para que os hospitais tratem. Luxações, estiramentos, contusões, artrites, artroses, bursites, problemas nas articulações, acidentes, etc...
Ou seja, dessa vez talvez nem seja trocar um problema por outro mas, somente, adicionar novos problemas aos que já existiam.

Ok, essa é a minha visão de como a bicicleta NÃO é a resposta para todos os problemas sociais. Mas a essa altura você, que já me conhece tão bem, já está esperando a solução do Arthur para esses problemas todos, não é?

Bem, para muitos problemas eu já dei solução.
A poluição do mundo pode diminuir se você não tiver filhos, consumir produtos de maneira racional, parar de comer alimentos como o arroz e frutos do mar, pintar o seu telhado de branco, usar seu carro mais racionalmente e parar de utilizar energia elétrica sem motivo.
Quanto a saúde, basta saber o que você come e se exercitar de acordo. Quer reduzir de peso, gaste mais calorias do que você consome. Quer manter o peso? Empate as calorias consumidas com as gastas. Quer ganhar peso? Coma mais do que se exercita.

Agora, quanto aos engarrafamentos...

Os engarrafamentos acontecem no mundo inteiro porque insistimos em utilizar carros em cidades que foram planejadas quando os veículos sequer existiam! Literalmente MULAS E CAVALOS criaram trilhas, que viraram vielas, que se tornaram ruas que, hoje, são avenidas. Nem sempre as avenidas são o caminho mais curto até o seu destino.
Piora: o péssimo planejamento das cidades geralmente faz com que TODOS os principais serviços estejam no centro do município. Assim, MILHÕES de pessoas se espremem para irem ao mesmo lugar! Inviável!
Piora mais: esses serviços vitais geralmente funcionam só em um determinado horário. Ao exemplo dos bancos, que funcionam só das 10hs às 16hs. RIDÍCULO! O MUNDO precisando girar e os bancos funcionam só 6hs por dia! E as outras 18hs? Porque os clientes não podem dispor do atendimento presencial? Mais turnos de funcionamento dos serviços geram, inclusive, mais empregos!
Piora mais ainda: Exitem serviços que podem ser virtualizados, mas insistimos em exigir a presença das pessoas. Coisas que poderíamos resolver pela internet mas que, ainda, precisam ser carimbadas, protocoladas, anexadas vias, dar vistas a terceiros, etc, etc, etc... Burocracia BURRA que exige o movimento das pessoas para todos os lados!

Quando planejamos melhor as cidades, vendo elas como um organismo vivo, vemos como o design de muitas das nossas metrópoles é insano!

E nem adianta muito querer arrumar agora. Muitos locais estão tão valorizados que é inviável desapropriar dezenas de quadras, para construirmos as estradas corretamente ou novas áreas de serviços vitais.

Não sei se serve de consolo, mas exstem locais no mundo que se preocupam mais com as pessoas do que com os lobbys. Eu não sei quanto a vocês, mas adoraria ir morar na Noruega: