quarta-feira, 13 de novembro de 2013

Pré-Decepcionadores

Não se espalham os planos. Não se comentam as conquistas. A felicidade deve ser resguardada de publicação. 

Como diabos eu manterei a minha pose de mau se eu disser que gosto de algo para todo mundo?

E o olho gordo vai atuar sobre os meus planos, jogando contra e impedindo que as coisas que eu disse que gosto aconteçam.

E, se eu estiver feliz por ter conquistado algo, é bom não compartilhar com ninguém. Que é para não ofender.

Melhor mesmo é sair decepcionando à primeira vista. Não pague o comerciante com dinheiro vivo, uma nota sobre a outra. Passe no cartão de crédito, chorando para pagar em 48 vezes sem juros as duas balas que tu comprou.

Decepcionar no primeiro momento é uma estratégia perigosa. É um jogo, aonde tu esperas que a decepção que tu está causando não seja maior do que o sentimento da outra pessoa, mas seja suficiente para que o outro não gere nenhuma expectativa ao seu respeito.

Olha que coisa maravilhosa: você ganha um relacionamento aonde o outro não espera nada de você. Nenhuma responsabilidade significa que você não vai cometer nenhum erro! Proteção garantida contra qualquer briga. Qualquer discussão pode ser vencida com um simples "tu sabia desde o início que eu era assim". Assim, tipo assim... Você era desde o início um idiota. Um preguiçoso, um defasado. Todos nós tentamos ser inteligentes, parecendo burros. Você é uma pessoa estúpida, querendo parecer muito inteligente. Não adianta entupir sua mente com livros de autores com nomes difíceis, se o que sai de você é o mais destilado e puro elixir de ignorância.

Sua estratégia faz de você juri, juiz, promotor, advogado, réu, executor e coveiro. Ao iniciar um projeto decepcionando seus próprios parceiros, você nem precisa esperar que o olho gordo atue. A desgraça já é certa, não precisa nem anunciar para os outros que você está feliz. Você já estragou tudo antes mesmo de algo acontecer.

Então, para se esquivar de críticas, cruzas os braços, só observas o que os seus parceiros estão fazendo, não se envolve em nenhuma etapa do projeto e sequer tenta não atrapalhar: se o projeto estiver no seu caminho, você o destrói.
Você nem nota que o projeto fica sem a sua cara. Sem o seu toque. E é essa a sua estratégia desde o início: se você não se envolve, você não desenvolve sentimentos pelo projeto. Se o projeto der errado, você não vai se sentir mal pelo fim dele.

Mas embora tu ACHE que não tens culpa pela derrocada do projeto, o fato de você não ter ajudado já é a sua culpa. Quando você está no início do projeto, ele depende de você para existir. E, se você não se empenha, o projeto fica torto. Longe do que você quer que ele seja.

Não há hipocrisia maior do que você olhar para o projeto que você iniciou e não ajudou em nada e dizer "não era o que eu estava esperando". Entenda: você começou o projeto, mas não colocou uma gota de suor seu nele. Deixou que os outros o construíssem sozinhos. O projeto vai se mostrando não ter a sua cara, o seu carinho, os seus sonhos, os seus desejos, os seus gostos... A sua falta de envolvimento fez com que o projeto não fosse ou tivesse NADA do que você quisesse. E, mesmo assim, você tem a CORAGEM de dizer que o resultado parcial do projeto não te faz feliz?

Sua estratégia não é só suicida. É mais uma forma refinada de mentir. Porque, ao assinar o contrato em cartório dizendo que você estava estavelmente unida à uma equipe, você disse com todas as palavras possíveis e imagináveis: CONTE COMIGO!
Então, na hora que seus parceiros mais precisam contar com você, você cruza os braços e deixa todos na mão?

Mentira, isso é uma mentira. Se, para você, é proteção, para os outros é uma piada sem graça. Anos de vida podem ser perdidos para que você tenha sua falsa e inútil sensação de proteção.

Medo de se machucar, gerando decepção e mentiras como mecanismos de auto-proteção. Alguém que use dessa artilharia é um ignorante emocional. Alguém incapaz de se abrir até para quem lhe confia a própria retaguarda no meio do campo de batalha.

Alguém que abandona o barco que ele próprio furou. E, depois, ainda fica apontando para o naufrágio, com um sorriso nos lábios que diz "eu sabia que seria assim".

Talvez seja melhor não gritar as coisas que se gosta.
Talvez seja melhor não profetizar os planos em praça pública.
Talvez seja melhor não festejar a felicidade.

Guardar o que se gosta, prender os planos e falsear a felicidade podem ser mentiras monstruosas, também. Mas são mentiras que podem manter os pré-decepcionadores longe de você. Se os pré-decepcionadores podem destruir nossos sonhos no início, nós, sonhadores, podemos destruir os pré-decepcionadores evitando eles.

E tudo o que nós, sonhadores, mais queremos é que esses pré-decepcionadores entendam que nós não vamos machucá-los. Que o final do projeto será maravilhoso para eles se eles participarem do planejamento, da execução e do acabamento. Nós não vamos comer todo o bolo, nós não vamos deixá-los de fora da festa. A ideia é darmos um sentido para nossas vidas juntos, e não agredirmos uns aos outros...