sábado, 27 de outubro de 2012

Segundo Turno de Deus?

Para a grande maioria do Brasil, hoje é só mais um sábado. Amanhã, será só mais um domingo. Um bom final de semana, para descansar, colocar em dia as tarefas da casa, se divertir e, assim, voltarmos renovados para o trabalho, na segunda.


Porém, para algumas cidades, amanhã é o dia do segundo turno das eleições municipais.

Talvez a maior vedete deste domingo seja a eleição de São Paulo.

Celso Russomano e seus amigos evangélicos saíram da posição de líderes nas pesquisas para um infrutífero terceiro lugar no primeiro turno. Assim, José Serra do PSDB e Fernando Haddad do PT passaram para o segundo turno.

O ponto, agora, é que os dois candidatos que alçaram ao segundo turno estão disputando ferrenhamente os votos do terceiro colocado. Os Evangélicos.

Vamos deixar uma coisa clara. Eu não sou Pré-Conceituoso contra Evangélicos. Não. Pré-Conceito é uma aversão sem justificativas. Algo instintivo. Uma coisa boba, feia e idiota, feita por quem tem cabeça de mamão. Por exemplo, eu tenho preconceito contra folgados. Pouco me importo com as justificativas deles. Já chego falando mal.


Viu? Preconceito feio, bobo e idiota.

Contra Evangélicos eu tenho mesmo é conceito adverso. Não consigo concordar com qualquer motivo que qualquer pessoa queira me dar, justificando sua escolha por uma igreja evangélica.

Por onde começar?

Quem sabe na própria Bíblia? Pedro, capítulo 2. A partir do versículo 10, Pedro pede que todos os cristãos " sujeitem-se às autoridades constituídas entre os homens". Dá exemplos de reis e governadores. Mas, como a própria Bíblia não fala em "Igreja" durante toda a sua extensão, podemos colocá-la nesse grupo de autoridades. E, para quem acredita em Deus, a Igreja foi constituída ENTRE os homens, pelo Ser supremo.

Ok, o que fizeram os Protestantes e Evangélicos senão não se sujeitarem à autoridade do Papa?

É, o princípio de um Evangélico já é uma deturpação do próprio objeto de crença.


Mas continuamos. Algumas pessoas pegaram o livro mais dúbio da história, criaram sua própria interpretação (o que não é lá tão difícil assim, até eu fiz ali em cima) e passaram a "professar a palavra". Aí, outras pessoas acreditaram nas abobrinhas proferidas. Aqui eu não sei quem é que tem mais problemas: quem acha que encontrou uma verdade na Bíblia, ou quem aceita a verdade que o outro pensou em ter achado...

Aí, nascem as igrejas evangélicas. Como toda organização, igrejas precisam de dinheiro. Mesmo porque não tem um ser supremo que garantam a vida dos seus servos, professadores da sua palavra, né? Então, as igrejas passam a recolher o dízimo. Lembrando que igrejas não pagam impostos, aqui está o negócio perfeito. Montam mais de um espetáculo por noite e recebem dinheiro que não precisam prestar contas.

Depois, não entendemos porque muitos pastores gravam vídeos, para ensinarem como "tirar dinheiro de fiel idiota".

"Ah! Mas a minha igreja não é assim!". - Desculpe, amigo. Todas são. As igrejas tiram teu tempo. Você poderia estar estudando alguma ciência, aprendendo uma profissão, contribuindo para a evolução do pensamento humano. Poderia estar trabalhando e, assim, ganhando mais dinheiro. Mas não. Está lendo mil vezes o mesmo livro dúbio e vendo showzinhos de bons oradores. Só isso.

Mas o maior problema desse povo não é o que fazem com suas próprias vidas. O problema é que eles são tão manipuláveis, que as igrejas utilizam seus fiéis como massa de manobra. São altamente organizáveis. Com isso, já existem vários canais de televisão evangélicos. Quase todo partido possui uma ala evangélica. Nosso parlamento já está infectado por esta praga.

E, como sofreram lavagem cerebral "divina", essas pessoas pensam igual. Votam igual.

No momento, a eleição paulista está nas mãos desse povo. E os pastores sabem disso. Tanto que estão fazendo um dos leilões mais indecentes que eu já vi. E olha que, em se tratando de política brasileira, muita indecência já aconteceu.
Quer um exemplo das bobagens? Todos sabemos: depois de certo horário, as cidades devem ter uma lei de sono. Geralmente, depois das 22hs, barulhos altos são coibidos por leis. Leis como o "Psiu" paulistano. Pois bem. Para poderem berrar seu louvor a Deus (de tão alto, às vezes eu acho que Deus, mesmo não existindo, consegue escutá-los) depois do horário, os Evangélicos pediram a Haddad que mudasse a legislação. Claro que, se o primeiro rockeiro colocar para tocar "StarWay to Heaven" às 22:00:01hs, os evangélicos vão correr para chamar a polícia...


Mas isso não é o pior. Eu achava que misturar religião com a política, no nosso país, era inconstitucional. Depois de consultar advogados (como é bom ter familiares e amigos formados em direito...) fui esclarecido a respeito. Tecnicamente, a existência de religiosos na política não é errada. Qualquer um que não tenha problemas com a justiça é elegível. E suas opiniões, mesmo que sejam estúpidos reflexos de qualquer religião, refletem a liberdade de pensamento. Portanto, a existência de religiosos na política é mero reflexo da organização que eles têm.

Talvez... Talvez... Já tenha passado da hora de outras religiões e dos ateus se organizarem, também. Precisamos fazer frente a estes absurdos. Como aparentemente nesse país "quem não chora não mama", talvez seja só assim que conseguiremos colocar um pouco de razão nas nossas leis.

Quanto ao pessoal que irá votar, por favor, escolham por ideologia, não por dinheiro ou presentes. Grato.