terça-feira, 31 de julho de 2012

Você Pensa em Tudo?


Escutei essa pergunta, em tom de acusação, neste último final de semana. Não precisei remexer muito no baú da minha memória para lembrar que já ouvi essa frase outras vezes.

Minha resposta? Não. Não consigo pensar em tudo, o tempo inteiro. Mas deveria.

Aliás, como regra, você também deveria tentar pensar em tudo, o tempo inteiro.

Porque pensar em tudo, o tempo inteiro economiza. Sim, você gasta menos de tudo se pensar em tudo, o tempo inteiro. Economiza deslocamentos. Economiza tempo. Economiza dinheiro. Economiza insatisfações.

Quando você pensa em tudo, o tempo inteiro, você consegue estar um passo a diante na vida. Pode até parecer que não, mas você descansa mais, se pensar em tudo, o tempo inteiro. Ao se preocupar com algo e executar tudo o que precisa, não será necessário que a tarefa seja refeita, total ou parcialmente.

O cálculo é simples: se você concentra e se esforça para atender ao máximo de coisas possíveis, você completa mais de uma tarefa com um mesmo esforço. Dessa forma, lhe sobra mais tempo livre de afazeres após o término da tarefa. Tempo este em que você pode utilizar para descansar, por exemplo.

Quem consegue pensar em tudo o tempo inteiro tem tanto tempo que seus amigos chegam a perguntar: “Quantas horas tem o teu dia???”.

Simples, amigos: 23:59:59. Exatamente o mesmo que cada um de nós. A diferença? A otimização de cada segundo.

Uma amiga adorava a expressão do Homer, enquanto pensava em seus donut’s. Quando alguém ficava com olhar parado, ela exclamava: “O Homer tá pensando em Bolinhos!!??”. Quando ela falava isso para mim, eu ria e brincava que sim. Mas, na verdade, estava inspecionando alguma coisa. Estava verificando se algo poderia ser melhorado. Se eu poderia fazer mais alguma coisa nas minhas ações já planejadas.

Quando inspecionamos as coisas que fazemos, podemos sempre estruturar cada ato para maximizá-lo. Podemos verificar se refazemos algum trajeto pela casa, a cada dia, onde poderíamos fazê-lo apenas uma vez. Estruturar as compras do mês, da semana ou do dia, de modo a suprir a casa com somente o que será utilizado. Verificar cada processo que é efetuado, na tentativa de deixar a tarefa mais simples, rápida e eficiente. Ganhar o precioso tempo, enquanto se economiza o escasso dinheiro, mantendo a qualidade em tudo.

 
Não é fácil. Os mais preguiçosos já exclamaram que é impossível e que eu estou propondo que viremos, todos, robôs. Mas, logo ao terminar de ler esse texto, os mesmos preguiçosos vão reclamar que nunca têm dinheiro, tempo ou que não estão satisfeitos com o que estão fazendo.

Não adianta amigo. Sua vida não é um teatro, mas, sim, uma organização viva. Que depende exclusivamente da atenção que você próprio dá a ela. Se sua vida não for eficiente, é porque você mesmo está negligenciando ela.