quarta-feira, 4 de julho de 2012

Bóson de Higgs – A Partícula de Deus

Eu fico chocado com o mundo, sabe?

Um ex-BBB vai à praia e ganha a capa de sites e jornais. É comentado à exaustão nos mais diversos veículos de comunicação.
O que falar a respeito de escândalos envolvendo jogadores, atores, políticos e "gente famosa", em geral? Qualquer um pisca e, em instantes, todos sabemos o porquê.


Aí, na terça-feira, acontece uma coisa maravilhosa. Algo realmente notável. Pela primeira vez cientistas acharam uma forte evidência do tão procurado Bóson de Higgs.
A repercussão? Quase nula. Notas de rodapé que são brevemente comentadas. Meramente citadas pela mídia, nem um pouco reverberadas pela sociedade.

Vamos ver se eu consigo explicar, aqui, o que é o Bóson de Higgs e porque ele é tão importante.

Desde a aurora do pensamento científico humano, o ser humano acredita que existe um único “tijolo fundamental” para construção de tudo que existe. Uma única “teoria de tudo”. Algo que não possamos dividir de modo algum e que, ao mesmo tempo, componha cada coisa que existe em todo o universo.

Começo dizendo que não sei se acredito nessa ideia primordial. Acho que existe algo indivisível, sim. Mas não creio que exista uma única partícula indivisível. Enfim esse é só um pensamento, coisa boba a ser discorrida outro dia.

Os primeiros cientistas formularam a ideia do átomo (do grego antigo, algo como “o que não pode ser dividido”), mesmo sem saber que existiam sequer as moléculas.
A idade média veio e foram mais de mil anos andando para trás, no campo da tecnologia.

Eu sempre imagino as maravilhas que teríamos hoje, caso as grandes religiões monoteístas não tivessem atrasado o desenvolvimento do pensamento humano. Pior: elas ainda continuam atrasando e quase ninguém nota. Enfim esse é só outro pensamento, coisa boba a ser discorrida outro dia.

Então, a idade média foi dando lugar à ânsia pelo dinheiro. Sim, eu não concordo em desenvolver a ciência só pelo caráter comercial. A ciência – assim como a arte – devia se bastar por si só. Cientistas e artistas deveriam ser subsidiados simplesmente pelo avanço que conseguem impor à sociedade. Mas a realidade é outra. Através da ganância intrínseca ao ser humano, vários cientistas foram, são e serão subsidiados. Somente as pesquisas com aplicações práticas são plenamente custeadas.

Descobrimos as moléculas, a química orgânica. Descobrimos os segredos das forças fundamentais do universo. Gravitação, gravidade, relatividade. Descobrimos um universo inteiro, que cabe em um único grão de areia, onde as leis gerais da física que se aplicam no nosso mundo simplesmente não funcionam.

Descobrimos que as moléculas são compostas de átomos, como os gregos antigos previram!

Descobrimos que esses átomos não são indivisíveis. E que a divisão desses átomos gera muita energia. Claro que, prontamente, utilizamos essa energia para fins bélicos. E continuamos usando. É, amigos... Armas matam gente...

Já descobrimos doze componentes dos átomos. Mas esses componentes não são como esperávamos. Analisando, quebrando, remexendo, explodindo, reunindo e fazendo tudo outra vez, não conseguimos descobrir o que, exatamente, faz com que os doze componentes – que sabemos que existem – de um átomo tenham MASSA.

É , amigo. Já fomos à Lua, máquinas nossas já foram a outros planetas e duas estão saindo do nosso sistema solar. Já enxergamos a fronteira do início do universo. Já realizamos maravilhas!

Mas não sabemos, ainda, porque sua mão não atravessa o teclado que está à sua frente. Aliás, não sabemos por que todas as coisas não “caem” umas sobre as outras, se misturando no processo.

Um jovem cientista imaginou um cenário. Fez cálculos. Os cálculos pareceram corretos. Ele apresentou os cálculos para outros cientistas. Aos poucos, cada cientista que via os cálculos notava que os resultados matemáticos eram consistentes. O jovem cientista tinha uma tese sólida, que precisava ser comprovada.

O jovem cientista se chama Peter Higgs. E ele havia imaginado uma partícula menor que os componentes que já conhecíamos dos átomos. Essa partícula tinha a capacidade de ligar e manter unidas as demais partículas, impondo as propriedades que observamos e conhecemos da massa na matéria.

Essa partícula que – por enquanto – existe somente nos cálculos do já idoso cientista foi batizada como “Bóson de Higgs”.

“Ai Arthur! Mas em que descobrir essa tal partícula vai mudar a minha vida????”

É, diziam o mesmo das ideias de Einstein. “No que a curvatura do espaço e a relatividade do tempo vão mudar a minha vida???” Tá bom. Quase ninguém faz essa pergunta porque são poucos os que entendem o que Einstein quis dizer. A maioria simplesmente cita "Einstein" como sinônimo de "inteligente".


Basta-me dizer que TODA a tecnologia que utilizamos hoje, no mundo, leva em consideração algum ponto das teorias de Einstein. Das mais óbvias, como a necessidade de calcular a diferença de tempo entre os satélites de GPS e o seu aparelho, no carro, para aumentar a precisão, até coisas aparentemente sem ligação, como segurança em automóveis.

E saiba: as ideias de Einstein estão a poucos anos de completar seu centenário e – mesmo assim – nem chegamos perto de utilizá-las em sua plenitude.
Bem, ainda nem esgotamos o potencial das ideias de Newton...

Se descobrirmos o Bóson de Higgs saberemos o que diferencia a “sopa quântica de nada” do universo das partículas sub-atômicas, de um átomo que constitui moléculas.
Se a frase acima não te faz sentido, basta saber que vamos descobrir o "cimento que une e cria a matéria".
A manipulação desse cimento pode (atentem ao “PODE”, por favor) nos permitir criar e destruir matéria. Sim, desintegrar e materializar coisas!

Claro que não será do dia para noite. Dou como como exemplo a genética. Estamos engatinhando na genética. Ainda estamos debatendo princípios morais e tateando para saber o que podemos ou não fazer fazer com os genes, DNA, células-tronco e clonagem. A descobrir o Bóson de Higgs é só o primeiro passo...

Eu creio que a primeira tecnologia que vão custear, derivada desse conhecimento, será uma arma. Aliás, como é feito desde sempre na nossa “brilhante” sociedade. Isso vai fazer com que a tecnologia seja associada a algo perigos, para a grande massa, assim como fizeram com a energia atômica e as famosas bombas de Hiroshima e Nagasaki.
Mesmo assim, imaginem um “raio desintegrador” como nos desenhos animados e filmes de ficção!

Claro que, depois, poderíamos pensar em “um trozilhão e meio” de coisas realmente úteis para a tecnologia!

Imaginem, por um instante, uma máquina que crie comida a partir do nada!
Imaginem uma máquina que crie órgãos, membros, sangue ou qualquer outra parte do corpo, perfeitamente!
Pelo menos algum dispositivo que desintegre sujeira, como o excesso de gás carbônico que é expelido pelas fábricas!

Amigo, esse Bóson de Higgs promete muito. Se ele for a resposta definitiva para o mistério da matéria, é algo que deve ser custeado até ser encontrado. Se não for a resposta definitiva, ele deve servir de base para a próxima resposta. E essa próxima resposta deve ser custeada até descobrirmos todo o conhecimento. 


É algo que pode mudar o mundo.

Algo que pode te deixar em casa o dia inteiro. Dar todo o tempo que você precisa para desenvolver as coisas que realmente importam, em vez de ficar “trabalhando” em coisas inúteis, para ganhar a vida.

Eu espero que encontrem o Bóson de Higgs. Espero que ele seja essa resposta.

E, mesmo que eu não esteja vivo para receber os benefícios dessa tecnologia, eu me sentirei honrado em ter vivido no momento em que a humanidade caminha mais rapidamente na ciência, em toda a história.


Editado:
Para entender mais: http://www.quantumdiaries.org/2012/07/04/new-baby-boson-is-born-weighing-in-at-about-126-gev/