quarta-feira, 18 de julho de 2012

Forma de Negociação do Inter

"Ei Arthur! Tu não falas de futebol! Estás falando do Inter!"

Calma, amigo! Falo do Inter, mas o foco é outro! Acompanhe:

Em 2005, Fernando Carvalho - então Presidente Colorado - pegou um avião e foi até Goiás. Chegando lá, ainda enfrentou uma pequena viagem até a casa de Fernandão. Tudo isso só para mostrar ao jogador que o Internacional de Porto Alegre tinha interesse em seu futebol.
E Fernando Carvalho não foi de mão abanando, não. Levou um projeto, bem estruturado, consigo. Uma apresentação dos sonhos, das metas e das ações para atingir a cada uma. Uma das ações era uma proposta ao Fernandão. Um contrato bom, pronto para que o jogador discutisse. Não era um contrato excelente, mas também não era um contrato de se jogar fora.

Fernandão não somente aceitou o contrato com o Internacional, como veio para o Rio Grande do Sul, cumpriu as metas e, hoje, divide com Falcão a dúvida na preferência de cada colorado pelo posto de ídolo maior.

O que fez com que Fernandão viesse para o Internacional? Ele jamais escondeu isso de ninguém: foi a forma como o Internacional negociou com ele. Com profundo respeito e admiração do clube para com o jogador. Não só com um bom contrato, mas com um ótimo planejamento. Com chances de projeção. Com toda a estrutura que um clube pode oferecer a um jogador, para que todos ganhem!

Fernandão veio para o Internacional não porque estava interessado em dinheiro rápido. Não. Fosse por isso, continuaria na Europa, onde estava, ganhando em Euros. Aliás, quisesse mesmo dinheiro, venderia-se para algum clube Árabe, para receber somas vultosas de petro-dólares. Fernandão sempre teve futebol para isso. Mas não. Fernandão veio para o Internacional porque viu que havia um projeto sendo executado com seriedade. E deu sua contribuição para o projeto! Sem notar, a presença dele ajudou a trazer outros.

E cada um que se somava ao projeto vinha porque era inteligente. Notavam que o grupo que estava se formando era excepcional. Queriam fazer parte disso.

Esse grupo excepcional ganhou a libertadores e o mundial de 2006.

E o Internacional aprendeu com seus sucessos. Desde então, para contratar um jogador, fala conscientemente com seu clube. Com seu procurador. Diretamente com o atleta. Os convites não são feitos de forma irreverente, descontraída ou na informalidade. As conversas se dão pelo meio oficial. Os jogadores vêm e ficam no Beira-Rio porque o clube acena com propostas profissionais.

Seja por visibilidade para as jovens promessas.
Seja por títulos, para os jogadores de peso.

Ontem, através do já dirigente Fernandão, o Internacional fechou com o zagueiro Juan. E ler o relato do jogador sobre porque e como escolheu o Internacional - em detrimento de seu clube de formação - me enche de orgulho da direção Colorada.