quinta-feira, 7 de junho de 2012

Contando os Raios de Sol

Eu tinha uma turma de verão muito legal, sabe?

Rafael Paulista, seu primo Milton (Miltinho), Guilherme, Thomas (grande turbando!), Eduardo (Dando), Ludmila, Fabíola e eu... A turma era basicamente essa. Claro que haviam outros. Com o tempo Entraram na turma o Roger (outro primo - chato - do Rafael), Andréia, Pietra, Natália, Eduardo (irmão da Natália), etc...

Enfim, era uma turma de verão. Nos encontramos de dezembro a fevereiro - uns mais tempo, outros menos - durante uns seis ou sete anos. Depois, a prainha morreu a cada um seguiu o seu caminho. Uma pena. Tempo bom que não volta mais.

Mas essa turma teve uma característica única, para mim: foi a única em que eu era - de longe - o mais velho. Era eu o "responsável" da galera. Eu que não bebia, para amparar a criançada torta. Que sabia o que fazer, sempre.

Mas havia uma coisa que eu não participava, com a turma. E eu sabia que todos ficavam chateados com isso: eu não ia à praia, durante a manhã.

Aliás, até hoje, eu não vou à praia, em momento algum.

Houve uma vez, inclusive, que o pessoal foi lá em casa, me tirar da cama, para ir à praia, com eles! Tu acredita nisso? No alto das férias, querem me tirar da minha cama, cedo da manhã, só para ir pra praia???

Esse povo estava maluco!

O motivo de eu não ir à praia? Há vários. Mas o principal é que eu não gosto de tomar sol!
Também não gosto de entrar no mar (uma piscina de xixi de peixe...), não gosto de pisar na areia (praia mal cuidada é vetor de todo tipo de doença e praga que tu possa imaginar!) e, por fim, os malditos raios solares!

Meu pai brinca, até hoje, que eu "conto os raios de sol que eu tomo". Claro! Eu sou mais branco que leite azedo. Fazer-me ficar mais de uma hora exposto ao sol sem um protetor fator um milhão é pedir para que eu tenha 90% do corpo coberto por queimaduras de terceiro grau. Sério.

Duvida que esses raios solares sejam tão ruins? Tá achando que eu sou algum tipo de maluco ou fresco?

Dá uma olhada nessa foto, aí abaixo:


Essa foto é de um homem, paciente não identificado, de 69 anos. Por 28 anos ele dirigiu seu caminhão a trabalho. Tomando, sistematicamente, mais sol na parte esquerda da face, do que na direita, ele desenvolveu rugas, dermatofitoses e sintomas iniciais de cancro e câncer de pele. Tudo isso por causa dos raios Ultra-Vilota A e B.

Não, amigo. Não é por ficar enrugado e feio que não tomo sol. Você me conhece. Sabe que pouco me importo para o tal padrão de beleza. Não tomo sol em exagero porque é nocivo à saúde, mesmo. Tudo em excesso, faz mal.

Talvez a única coisa que não faça mal, em excesso, seja a saudade da adolescência, da turma e das tardes e mais tardes de aventuras, risos e diversão!